A Exogenus Therapeutics recebeu 800 mil euros numa ronda de investimento liderada pela Caixa Capital, a sociedade gestora de fundos de capital de risco do grupo Caixa Geral de Depósitos. A notícia surge pouco tempo depois de a startup de Coimbra ter sido distinguida com o Prémio Jovem Empreendedor 2015, o galardão de empreendedorismo mais antigo do país.

Fundada por Ricardo Neves, Joana Simões Correia e Luísa Marques, a Exogenus Therapeutics quer revolucionar a forma como se tratam feridas crónicas, provocadas por doenças como a diabetes ou hipertensão arterial. O investimento também contou com a participação da sociedade de capital de risco Change Partners.

“Estamos ansiosos por continuar a trabalhar com a equipa da Exogenus Therapeutics, para ajudarmos a levar esta solução inovadora aos milhões de pacientes que atualmente são afetados por doenças crónicas”, afirmou Stephan Morais, administrador executivo da Caixa Capital.

O primeiro produto da biotecnológica, o Exo-Wound, está em fase final de desenvolvimento e permite tratar feridas crónicas com uma terapia que deriva do sangue do cordão umbilical. O tratamento não provoca rejeições e após 10 dias de aplicação é 50% mais eficaz do que as terapias concorrentes, segundo a empresa. Espera-se que em 2019 o produto esteja pronto para entrar na fase clínica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Este investimento é crucial para continuarmos a desenvolver o Exo-Wound”, disse Joana Correia, uma das fundadoras. “Agora, temos condições para fazer com que o Exo-Wound fique mais próximo dos testes clínicos”, acrescentou.

A Exogenus Therapeutics está incubada no Biocant Park – Centro de Inovação em Biotecnologia, em Cantanhede, e já tinha recebido cerca de 100 mil dólares (aproximadamente 92 mil euros) da Caixa Capital. O projeto de investigação foi desenvolvido em colaboração com a empresa Crioestaminal, o Biocant Park e o Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra.