Rádio Observador

Saúde

Quatro hospitais vão garantir resposta a aneurismas durante os fins de semana em janeiro

Os hospitais de Lisboa já se organizaram e, em janeiro, a resposta assistencial para casos de aneurisma roto estará garantida ao fim de semana. A 1 de fevereiro entra em vigor solução definitiva.

João Relvas/LUSA

Santa Maria, São José, Egas Moniz e Garcia de Orta. São estes os quatro hospitais de Lisboa e Vale do Tejo que, de forma alternada, vão assegurar a resposta aos fins de semana a casos de aneurisma vascular cerebral, de acordo com o comunicado do Ministério da Saúde enviado esta quarta-feira às redações.

“O Centro Hospitalar Lisboa Norte, EPE (CHLN), o Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE (CHLC), o Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, EPE (CHLO) e o Hospital Garcia da Orta, EPE (HGO) garantirão assistência permanente, 24 horas sobre 24 horas, a todos os doentes com esta patologia”, lê-se no comunicado.

Assim, o Centro Hospitalar Lisboa Norte (Santa Maria) garantirá a assistência no fim de semana de 1 a 3 de janeiro, entre as 8h de sábado e as 8h de segunda-feira, o Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (Egas Moniz) assegura a resposta nos dias 9 e 10 de janeiro, o Garcia de Orta, em Almada, nos dias 16 e 17 de janeiro. A 23 e 24 de janeiro volta a ser a vez do Santa Maria e o São José garante o último fim de semana do mês (30 e 31 de janeiro).

Segundo a tutela “este processo valoriza os princípios da organização em rede e da partilha dos recursos disponíveis no Serviço Nacional de Saúde”. E será a solução a adotar durante o mês de janeiro até a nova organização das urgências de Lisboa entrar em vigor a 1 de fevereiro que poderá ser semelhante a esta ou não.

Esta medida surge na sequência da morte de David Duarte, na madrugada de domingo para segunda-feira, 14 de dezembro, que aguardava por cirurgia para tratar o aneurisma roto. Acontece que o Hospital de São José, assim como os restantes hospitais de Lisboa, não tinha equipa de neurocirurgia vascular nem de neurorradiologia de intervenção de prevenção durante o fim de semana.

Aliás, desde 2013 que o São José ficou sem equipa de prevenção em neurorradiologia de intervenção aos fins de semana, suspensão que se estendeu à neurocirurgia vascular a partir de abril de 2014, na sequência de cortes nas remunerações dos profissionais de saúde. E o mesmo se passou nos restantes hospitais de Lisboa que antes tinham equipas de prevenção. O Ministério da Saúde estava avisado desta situação desde 2013.

Na sequência da notícia da morte deste jovem, os presidentes da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, do Centro Hospitalar de Lisboa Central (ao qual pertence o Hospital de São José) e do Centro Hospitalar Lisboa Norte (ao qual pertence Santa Maria) apresentaram o pedido de demissão.

O Ministério da Saúde pediu entretanto à administração do hospital e à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde para apurarem eventuais responsabilidades na morte deste doente. E a Procuradoria-Geral da República também já abriu inquérito à morte de David Duarte para averiguar eventuais ilícitos criminais e responsabilidade do Estado, administradores e médicos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)