Saúde

Quatro hospitais vão garantir resposta a aneurismas durante os fins de semana em janeiro

Os hospitais de Lisboa já se organizaram e, em janeiro, a resposta assistencial para casos de aneurisma roto estará garantida ao fim de semana. A 1 de fevereiro entra em vigor solução definitiva.

João Relvas/LUSA

Santa Maria, São José, Egas Moniz e Garcia de Orta. São estes os quatro hospitais de Lisboa e Vale do Tejo que, de forma alternada, vão assegurar a resposta aos fins de semana a casos de aneurisma vascular cerebral, de acordo com o comunicado do Ministério da Saúde enviado esta quarta-feira às redações.

“O Centro Hospitalar Lisboa Norte, EPE (CHLN), o Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE (CHLC), o Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, EPE (CHLO) e o Hospital Garcia da Orta, EPE (HGO) garantirão assistência permanente, 24 horas sobre 24 horas, a todos os doentes com esta patologia”, lê-se no comunicado.

Assim, o Centro Hospitalar Lisboa Norte (Santa Maria) garantirá a assistência no fim de semana de 1 a 3 de janeiro, entre as 8h de sábado e as 8h de segunda-feira, o Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (Egas Moniz) assegura a resposta nos dias 9 e 10 de janeiro, o Garcia de Orta, em Almada, nos dias 16 e 17 de janeiro. A 23 e 24 de janeiro volta a ser a vez do Santa Maria e o São José garante o último fim de semana do mês (30 e 31 de janeiro).

Segundo a tutela “este processo valoriza os princípios da organização em rede e da partilha dos recursos disponíveis no Serviço Nacional de Saúde”. E será a solução a adotar durante o mês de janeiro até a nova organização das urgências de Lisboa entrar em vigor a 1 de fevereiro que poderá ser semelhante a esta ou não.

Esta medida surge na sequência da morte de David Duarte, na madrugada de domingo para segunda-feira, 14 de dezembro, que aguardava por cirurgia para tratar o aneurisma roto. Acontece que o Hospital de São José, assim como os restantes hospitais de Lisboa, não tinha equipa de neurocirurgia vascular nem de neurorradiologia de intervenção de prevenção durante o fim de semana.

Aliás, desde 2013 que o São José ficou sem equipa de prevenção em neurorradiologia de intervenção aos fins de semana, suspensão que se estendeu à neurocirurgia vascular a partir de abril de 2014, na sequência de cortes nas remunerações dos profissionais de saúde. E o mesmo se passou nos restantes hospitais de Lisboa que antes tinham equipas de prevenção. O Ministério da Saúde estava avisado desta situação desde 2013.

Na sequência da notícia da morte deste jovem, os presidentes da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, do Centro Hospitalar de Lisboa Central (ao qual pertence o Hospital de São José) e do Centro Hospitalar Lisboa Norte (ao qual pertence Santa Maria) apresentaram o pedido de demissão.

O Ministério da Saúde pediu entretanto à administração do hospital e à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde para apurarem eventuais responsabilidades na morte deste doente. E a Procuradoria-Geral da República também já abriu inquérito à morte de David Duarte para averiguar eventuais ilícitos criminais e responsabilidade do Estado, administradores e médicos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)