Rádio Observador

Autoridade da Concorrência

Grupo ANF vai contestar condenação da Autoridade da Concorrência

Associação Nacional de Farmácias anunciou que vai contestar a condenação da Autoridade da Concorrência (AdC) por abuso de posição dominante no mercado de estudos para laboratórios, por considerar que "não tem suporte jurídico".

MÁRIO CRUZ/LUSA

O grupo ANF – Associação Nacional de Farmácias anunciou que vai contestar a condenação da Autoridade da Concorrência (AdC) por abuso de posição dominante no mercado de estudos para laboratórios, por considerar que “não tem suporte jurídico”.

A Autoridade da Concorrência informou em comunicado que condenou a ANF, e três sociedades do mesmo grupo (Farminveste SGPS, Farminveste — Investimentos, Participações e Gestão e a HMR — Health Market Research), a coimas de 10,34 milhões de euros por abuso de posição dominante no mercado de estudos para laboratórios.

Num comunicado enviado à agência Lusa, o grupo ANF rejeita esta condenação da AdC e anuncia que vai contestar esta decisão “perante as autoridades judiciais competentes”.

O grupo esclarece, no comunicado, que em Espanha a Comisión Nacional de los Mercados y la Competencia (CNMC), autoridade responsável pela aplicação das regras da concorrência, abriu um procedimento de infração contra a multinacional americana IMS Health, S.A, por indícios sólidos de que a IMS terá abusado da sua posição dominante no mercado de informação de vendas de medicamentos à indústria farmacêutica.

“A respetiva prática, a confirmar-se, constitui uma violação grave do direito comunitário e do direito espanhol da concorrência”, refere o comunicado.

De acordo com a CNMC, essas práticas podem ser contrárias ao artigo 2.º da Lei 15/2007 de 3 de Julho, de Defesa da Concorrência e do artigo 102.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia.

“Em Portugal, a decisão da Autoridade da Concorrência, de 22 de dezembro, tomada na sequência de uma denúncia da IMS contra a Farminveste/hmR, não tem, em nossa opinião, suporte jurídico e vai ser contestada perante as autoridades judiciais competentes”.

No comunicado da AdC, é especificada a atividade simultânea do grupo ANF no mercado de venda de dados comerciais das farmácias, através da Farminveste — Investimentos, Participações e Gestão, e, desde 2009, no mercado de produção de estudos com base nesses dados com a criação da HMR — Health Market Research.

“A investigação desenvolvida pela Autoridade da Concorrência revelou que, entre 2010 e 2013, os preços praticados pelo grupo ANF na venda de dados comerciais das farmácias, quando comparados com os preços praticados pelo mesmo grupo na venda de estudos de mercado baseados naqueles dados, não permitiam a um concorrente na venda de estudos de mercado, ainda que igualmente eficiente, obter uma margem suficiente para cobrir os custos de produção”, precisa a AdC.

A prática de esmagamento de margens constitui uma infração grave às regras da concorrência previstas na legislação portuguesa, constituindo um comportamento pelo qual a empresa dominante procura, através de práticas comerciais ilícitas, manter ou aumentar o seu poder de mercado, impedindo ou dificultando a entrada de concorrentes no mercado, debilitando a respetiva posição concorrencial ou levando à sua exclusão do mercado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)