Rádio Observador

Pedagogia

Método de Montessori: é assim que se aprende na escola do príncipe George

5.523

O príncipe de Cambridge foi para a escola pela primeira vez e vai aprender de acordo com o método de Montessori, que sublinha a independência, a ordem e a liberdade. Uma estratégia com 100 anos.

The Duke and Duchess of Cambridge/PA Wire via Getty Images

Esta foi uma semana especial para a família real inglesa: o príncipe George de Cambridge foi para a escola pela primeira vez. E vai aprender com o mesmo sistema com que os CEO de grandes empresas interiorizaram o bê-á-bá: o método de Montessori, criado por uma pedagoga, antropóloga e filósofa italiana que batizou esta forma de aprendizagem de “Pedagogia Científica”.

Maria Montessori (1870 – 1952) afirmava que o essencial da aprendizagem escolar seria “libertar a verdadeira natureza do indivíduo”, porque permitiria compreender melhor as crianças e, por consequência, adaptar os métodos de aprendizagem ao estudante. Assim ela tornar-se-ia mais eficaz e menos morosa, porque não a obrigava a moldar-se a um método que poderia não lhe ser favorável.

Essa adaptação acontece de acordo, por exemplo, com a faixa etária do aluno: em cada idade existem “períodos sensíveis” (também chamados de “janelas de oportunidades”), isto é, potencialidades e capacidades mais propícias a serem exploradas e outras que serão menos fáceis de trabalhar. Apesar de Maria Montessori ter assumido com o seu método que cada indivíduo deve aprender a um ritmo próprio, explica a Sociedade Americana de Montessori, a pedagoga também encontrou alguns traços mais comuns a cada faixa etária. Foi com base nessas observações que Montessori estabeleceu seis “pilares educacionais”:

  1. Autoeducação: as crianças têm uma tendência inata para aprender à medida que interagem com o ambiente que as rodeiam. O método de Montessori procura aproveitar esse mecanismo para que a criança apreenda a matéria de livre vontade.
  2. Educação cósmica: quem ensina as crianças deve esforçar-se para que todas as informações a transmitir estejam encadeadas, organizadas de modo lógico para elas. Isto trará outra vantagem: os estudantes vão concluir que o mundo tem uma ordem que deve ser respeitada e erguida pelo ser humano.
  3. Educação como Ciência: as observações que Montessori realizava dos comportamentos e da evolução dos alunos seriam todas baseadas num método científico e num regime que evitasse discrepâncias que pudessem afetar a boa avaliação da eficácia dos estudantes.
  4. Ambiente preparado: é importante que o espaço de aprendizagem esteja adaptado às exigências físicas e psicológicas das crianças. Isto significa que a mobília deve ser proporcional ao tamanho delas e que haja tempo e material para que os estudantes possam tomar iniciativa para aprender.
  5. Adulto preparado: o adulto preparado corresponde não só ao professor como a todos os que estiverem envolvidos na educação da criança no local escolar (lares montessorianos). Esse adulto deve conhecer bem as fases de desenvolvimento da criança e ter conhecimento sobre os traços que a ciência reconheceu em cada fase da vida do estudante.
  6. Criança equilibrada: uma criança equilibrada é toda aquela cujas características correspondam à norma para a faixa etária em que se encontra. Como é que se identifica a situação de uma criança? Montessori acreditava que um estudante que “ame o silêncio, o trabalho e a ordem” está no percurso natural de aprendizagem.

Cada turma montessoriana é composta por alunos de idades diferentes para permitir que todos os membros do grupo aprendam com os colegas: os mais novos comunicam com novas ideias através dos mais velhos e estes reforçam os conhecimentos quando os comunicam aos mais novos. Essa aprendizagem é adaptada pelo estudante pelo facto de os conteúdos e atividades ser escolhida pelo próprio, dentro de um guia fornecido pelo professor. É por isto que Maria Montessori insistia na “aprendizagem em triângulo”, em que cada vértice correspondia ao estudante, ao professor e ao ambiente adaptado; e onde era garantida a liberdade (nunca a libertinagem, sublinha a pedagoga), a independência e o gosto pela ordem.

Apesar do método de Montessori ser mais aplicado em algumas escolas primárias em todo o mundo, também existem escolas básicas a adaptar estes princípios para estudantes mais velhos. E também podem ser aplicados em lares de idosos, em escolas de ensino especial e em instituições de psicopedagogia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes
231

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)