O novo Governo do Partido Socialista reverteu mais uma decisão do anterior Executivo da coligação e liderado por Passos Coelho. Agora, o Ministério da Saúde decidiu cancelar a passagem dos hospitais de Santo Tirso e de São João da Madeira para as Santas Casas de Misericórdia locais.

Em comunicado, o ministério esclareceu que a decisão de “anular os despachos de homologação da celebração dos Acordos de Cooperação entre a Administração Regional de Saúde do Norte, IP, e as Santas Casas das Misericórdias de Santo Tirso e de São João da Madeira” foi tomada tendo em conta “os estudos e o modelo económico-financeiro que estão na base dos Acordos de Cooperação suscitam fundadas dúvidas sobre a efetiva defesa do interesse público”.

O gabinete liderado por Adalberto Campos Fernandes diz ainda “que os utentes, os profissionais de saúde e as autarquias têm evidenciado o seu desacordo relativamente a estes processos”.

À TSF, o presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto, afirmou estar satisfeito com a decisão revelando que existiam vários receios em relação à mudança de gestão dos hospitais.

No entanto o mesmo comunicado adianta que esta decisão “em nada coloca em causa a histórica colaboração entre o Ministério da Saúde e a União das Misericórdias Portuguesas, que se pretende manter no futuro, num esforço de complementaridade”. E, para além disso, o ministério garante também “que se encontra salvaguardado o normal funcionamento destas unidades hospitalares”.

Em relação ao hospital de Santo Tirso, este encontra-se integrado no Centro Hospitalar do Médio Ave e por aí vai ficar juntamente com o de Vila Nova de Famalicão.

No que toca a São João da Madeira, em Aveiro, o hospital pertence ao Centro Hospitalar do Entre Douro e Vouga que integra igualmente outra unidade em Santa Maria da Feira e uma em Oliveira de Azeméis.