O homem que não era político teve uma das carreiras políticas mais longas (no que toca a cargos de primeira linha) do panorama político nacional. Fez campanhas, comícios, declarações, tempos de antena, intervenções, apartes vários. O Observador recolheu alguns dos sons mais emblemáticos do cavaquismo e a variedade é proporcional ao tempo em que esteve no centro do palco político nacional. Desde polémicas, a insólitos, passando por alguns clássicos, mergulhos na praia, cenas da vida privada e até ordenha de vacas.

[Ouça aqui os sons do cavaquismo]

[jwplatform 13dHygCP]

São várias as gerações que conseguem identificar a voz de Cavaco Silva sem precisarem de olhar, afinal foram mais de 30 anos na vida pública, entre o palácio de São Bento e o palácio de Belém. Um dos sons mais recentes e que mais polémica provocou foi o das queixas sobre o valor das pensões. “Não vai chegar para pagar as minhas despesas”. O lamento de Cavaco Silva custou-lhe caro, uma queda acentuada na popularidade. Há também alguns disparos, quando confrontado com as polémicas que o envolveram no caso BPN que ficaram na história, como o “para serem mais honestos do que eu têm que nascer duas vezes”, que soltou durante um dos debates das presidenciais de 2011, contra o candidato Defensor Moura.

Há momentos com menos polémica, mas igualmente marcantes, como a descrição pormenorizada que fez da ordenha mecânica das vacas, numa visita enquanto Presidente da República a uma exploração agrícola em Amarante. Ou, mais atrás, ainda como primeiro-ministro, a descrição da ligação umbilical às águas do Algarve, à beira mar, em calções de praia. Ou ainda as peripécias de recém-casado, contadas durante um programa de Herman José, no período em que estava em pousio, entre São Bento e Belém. São, ao todo, dez momentos, entre os muitos que fizeram o cavaquismo.