Uma espuma, criada a partir do biodiesel, está a ser testada pela Universidade de Aveiro e provou uma resistência ao fogo superior à espuma de poliuretano usada no isolamento dos edifícios, divulgou hoje fonte académica.

O novo produto revela também um “prometedor” grau de isolamento térmico e acústico e a apresentação sobre a resistência ao fogo, no congresso da International Association of Advanced Materials (IAAM), que decorreu na Índia, mereceu a distinção “Young Scientist Award”.

As espumas são obtidas a partir do crude glicerol utilizado, sem pré-tratamento, que resulta da produção do biodiesel, e estão a ser testadas para diversas aplicações, no âmbito de uma tese de doutoramento do Departamento de Química e do Instituto de Materiais de Aveiro, laboratório associado da Universidade de Aveiro.

O processo foi já patenteado e tem como novidade o uso do crude glicerol sem pré-tratamento, dado que as aplicações já existem no mercado para o glicerol mas em estado puro e sujeito, portanto, a pré-tratamento, com os custos que estão associados a este processo químico.

“Os ácidos gordos e ésteres metílicos que aparecem associados ao glicerol como subproduto do biodiesel e que são extraídos no pré-tratamento, são até favoráveis na homogeneização da estrutura”, explica Nuno Gama, que desenvolve a tese de doutoramento sob orientação de Artur Ferreira, diretor da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA), e de Ana Margarida Barros, professora do Departamento de Química da UA.

Três das propriedades testadas nesta nova espuma foram o isolamento térmico, o isolamento acústico e a resistência ao fogo, propriedades valorizadas na aplicação da espuma à construção civil.

No caso da resistência ao fogo, os resultados foram apresentados no âmbito do congresso da International Association of Advanced Materials (IAAM), em Deli, Índia, no início do mês de março, e valeram a Nuno Gama o “Young Scientist Award” que distingue a melhor apresentação de um jovem cientista no congresso.

A comunicação apresentada na Índia mostra como a adição de grafite expandida ao glicerol não purificado resulta numa espuma que retarda a expansão do fogo, criando-se uma película que dificulta a reação com o oxigénio e a transferência de calor, resultando em menores temperaturas e quantidade de fumo libertada.