Sofia Fava, ex-mulher de José Sócrates, é o 14.º arguido da Operação Marquês. A notícia é do Correio da Manhã e estão em causa suspeitas de fraude fiscal qualificada e de branqueamento de capitais.

Como já tinha sido noticiado por vários órgãos de comunicação social, existem fortes indícios nos autos da Operação Marquês de que Fava terá recebido somas significativas de dinheiro de José Sócrates, nomeadamente entregas em dinheiro vivo (entre 2 a 4 mil euros de cada vez) alegadamente ordenadas pelo ex-primeiro-ministro e transferências bancárias de mais de 100 mil euros a partir de contas de Sócrates. O Ministério Público, através do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, suspeita que tais valores têm origem nas contas de Carlos Santos Silva no Banco Espírito Santo (BES) — que, por seu lado, foram alimentadas com transferências a partir das contas do amigo de Sócrates na Suíça abertas em nome de diversas sociedade offshore.

O dinheiro recebido por Sofia Fava servia para pagar as despesas de educação e de outra natureza dos dois filhos de Sócrates mas também terá servido para pagar as prestações de um empréstimo de 760 mil euros que Fava contraiu junto do BES para comprar uma quinta em Montemor-o-Novo.

Tal imóvel foi também adquirido com a ajuda financeira de Carlos Santos Silva, tendo o amigo de Sócrates transferido cerca de 100 mil euros para Sofia Fava pagar o ‘sinal’ do negócio do monte alentejano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As transferências de todos estes fundos para Sofia Fava não terão sido declarados à Autoridade Tributária, suspeitando ainda o MP de que a ex-mulher terá ajudado o José Sócrates e Carlos Santos Silva a ocultar a alegada origem ilícita dos mesmos. Daí as suspeitas de fraude fiscal qualificada e de branqueamento de capitais.

Sofia Fava ficou sujeita à medida de coação mais leve: termo de identidade e residência.