Rádio Observador

Greve

Transporte ferroviário de mercadorias disparou com greve no Porto de Lisboa

O presidente do Conselho de Administração da Medlog, nova designação da CP Carga, afirmou que a procura pelo transporte ferroviário de mercadorias disparou com a greve dos estivadores no Porto de Lisboa, estando a empresa a fazer comboios adicionais.

O presidente do Conselho de Administração da Medlog, nova designação da CP Carga, afirmou que a procura pelo transporte ferroviário de mercadorias disparou com a greve dos estivadores no Porto de Lisboa, estando a empresa a fazer comboios adicionais.

“Neste momento, dada a situação no Porto de Lisboa, a procura de transporte contentorizado disparou. Estamos a fazer comboios adicionais, que não estavam previstos, para corresponder ao aumento significativo da procura”, afirmou Carlos Vasconcelos, à margem da apresentação, em Lisboa, da marca que vem substituir a antiga CP Carga.

Em declarações aos jornalistas, o presidente da Medlog admitiu que os comboios disponíveis são insuficientes para “responder à procura tão depressa como a procura gostaria”, realçando a inexistência de material circulante para poder reforçar a operação.

“Uma coisa é arranjar um camião para fazer um transporte e outra é encontrar vagões e locomotivas disponíveis no mercado”, adiantou.

Além disso, acrescentou, acrescem dificuldades nos terminais, que também não estão preparados para “receber tanta carga”, obrigando os comboios a ficarem “mais tempo imobilizados”.

“Vamos resolver o problema com o tempo. Vamos dar conta do recado”, garantiu, referindo-se à crescente procura da empresa como alternativa ao transporte marítimo, devido à greve dos estivadores no Porto de Lisboa.

A greve dos estivadores no Porto de Lisboa prolonga-se pelo menos até 16 de junho, na sequência da falta de entendimento entre estivadores e operadores portuários sobre o novo contrato coletivo de trabalho.

A venda de 95% do capital da CP Carga à operadora ferroviária suíça Mediterranean Shipping Company Rain (MSC), por 53 milhões euros, foi concluída em 20 de janeiro, após a Autoridade da Concorrência (AdC) ter dado luz verde ao negócio.

A privatização da empresa foi conduzida pelo anterior governo, que assinou o acordo para a venda a 21 de setembro de 2015.

A proposta da MSC Rail venceu o concurso com uma proposta de 53 milhões de euros na CP Carga – 51 milhões de euros para capitalização e dois milhões no valor das ações -, que comparava com a da Atena Equity Partners, no valor de 45,5 milhões de euros, e da Cofihold de 30 milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)