Rádio Observador

Biologia

Estão a aparecer crocodilos-do-nilo nos EUA

290

O crocodilo-do-nilo não é uma espécie exclusiva deste rio, mas é certamente um animal tipicamente africano. Como terá ele chegado aos Estados Unidos e que ameaça representa?

O crocodilo-do-nilo pode atingir os seis metros e ficar do tamanho de uma carro utilitário

Barcroft Media via Getty Images

Quem não terá já visto, em documentários na televisão, as grandes migrações de zebras e gnus em África. No caminho sempre tortuoso, haverá invariavelmente um rio, um rio cheio de crododilos-do-nilo (Crocodylus niloticus), só com os olhos de fora à espera de apanhar uma presa incauta. Os crocodilos-do-nilo são africanos, mas, nos últimos anos, foram já detetados três espécimes na zona dos Everglades, no estado da Flórida (EUA). Os cientistas alertam para o facto de o clima daquela região ser propício a muitas espécies invasoras.

Os três crocodilos-do-nilo foram descobertos nos EUA entre 2009 e 2014, refere o ABC. Uma análise do ADN permitiu concluir que os animais são aparentados com os do sul de África e não com os de zoos norte-americanos. Um dos animais foi capturado, sinalizado e libertado novamente. Dois anos depois foi recapturado, o que permitiu aos investigadores avaliar a capacidade de crescimento e de deslocação deste animal, conforme descrevem os autores na revista científica Journal of Herpetological Conservation and Biology.

Os investigadores confirmaram que esta espécie tem todas as condições de prosperar naquela zona do país, o que leva a comunidade científica a concluir que poderão haver muitos mais do que os três já localizados. Outra das conclusões prende-se com o rápido desenvolvimento desta espécie. Os investigadores concluíram que estes crocodilos podem crescer mais rápido que os aligátores-americanos (que medem geralmente quatro metros), como aliás acontece muitas vezes com as espécies invasoras.

Os Estados Unidos têm as suas próprias espécies de crocodilo: os aligátores-americanos (Alligator mississipiensis) e os crocodilos-americanos (Crocodylus acutus). A primeira terá passado por um período difícil devido à caça pela sua pele, mas tem recuperado graças aos esforços de conservação. Apesar de, por vezes, de tornarem um problema, por se aproximarem muito dos humanos e das suas piscinas, os aligátores-americanos têm também sofrido com a introdução de espécies exóticas como a pitão-da-birmânia.

A presença de um predador de topo, como o crocodilo-do-nilo (que mede normalmente quatro metros, mas pode chegar aos seis metros), é motivo de preocupação para as populações humanas. Segundo o ABC, entre 2010 e 2014 foram reportados 480 ataques a pessoas em África, do qual resultaram 123 vítimas mortais. Mas a ameaça também é ambiental. Sem predadores naturais, nem outros fatores que ameacem o seu desenvolvimento, os crocodilos-do-nilo podem prosperar, aumentando a pressão sobre as espécies das quais se alimentam, incluindo os aligátores-americanos.

“O Estado da da Flórida, EUA, tem mais herpetofauna [anfíbios e répteis] introduzida que qualquer outra região governamental na Terra”, afirmam os investigadores no artigo científico. A pitão-da-birmânia é um dos exemplos. É originária da Ásia, mas mantida como animal de companhia. A libertação acidental ou intencional faz com que seja já uma praga e uma ameaça ambiental, porque come vários tipos de animais, incluindo aligátores-americanos. A pitão-da-birmânia pode medir cerca de três metros.

O crocodilo-do-nilo é a quinta espécie de crocodilos não-nativos a ser introduzida na Flórida. Das restantes, apenas o caimão-de-lunetas (Caiman crocodilus) consegui estabelecer-se e prosperar. Esta espécie não ultrapassa os três metros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)