PCP

Jerónimo diz que “luta” esteve na base da conquista dos estivadores

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considera que os direitos dos trabalhadores "não dispensam" as ações de luta, dando como exemplo o caso do acordo alcançado no porto de Lisboa.

NUNO VEIGA/LUSA

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considera que os direitos dos trabalhadores “não dispensam” as ações de luta, dando como exemplo o caso do acordo alcançado entre os estivadores e operadores do porto de Lisboa.

“O resultado não está ainda adquirido nem fechado, mas isto demonstra que é possível encontrar sempre soluções, mas que essas soluções não dispensam a luta”, disse.

Para o secretário-geral do PCP, que falava em Alter do Chão, no distrito de Portalegre, após um almoço convívio com simpatizantes e militantes do partido, o que “não é possível concertar” são os “interesses económicos absolutos” e o “prejuízo e liquidação” dos direitos dos trabalhadores.

O acordo alcançado na sexta-feira à noite entre os estivadores e operadores do porto de Lisboa prevê a assinatura, dentro de 15 dias, de um novo contrato coletivo de trabalho com um prazo de vigência de seis anos. O acordo foi alcançado no final de quase 15 horas de reunião.

Segundo um comunicado do Ministério do Mar, além da suspensão imediata do pré-aviso de greve, foi acordada a redação e assinatura, no prazo de 15 dias, de “um novo contrato coletivo de trabalho com base nas matérias acordadas e nas negociações decorridas entre 07 de janeiro e 04 de abril”.

Na sua intervenção, Jerónimo de Sousa lançou ainda duras críticas ao anterior governo PSD/CDS-PP, ao Banco Central Europeu (BCE) e à União Europeia.

“Esta mesma gente que obrigou o país a andar a toque de caixa, o Governo anterior a executar uma política desgraçada, que resultou em mais desemprego, mais pobreza, mais défice, mais dívida, não resolveu nenhum problema nacional, mas eles exigiram essa política, e agora veem dizer ‘vocês têm que ser multados’ porque praticaram essa política”, lamentou.

Para Jerónimo de Sousa, são “inaceitáveis” as posições tomadas ao longo dos tempos pelo BCE e pela União Europeia, considerando que estas instituições comportam-se como “ocupantes” do país.

“O problema é que estes senhores já se comportam como ocupantes, esquecendo que Portugal é um país, conforme diz a nossa Constituição da República, independente, soberano e que essa soberania reside no povo, e aquilo que lhes temos de dizer é que quem manda em Portugal é povo português, é o povo português que decidirá do seu futuro coletivo”, declarou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)