A Autoridade Marítima do Sul, em Faro, alertou neste sábado os banhistas para a importância de utilizarem praias vigiadas como forma de garantir o rápido socorro e conhecerem se existem condicionantes que possam colocar vidas em risco. “Consideramos essencial que as pessoas privilegiem cada vez mais as praias vigiadas”, sublinhou à Lusa o chefe do Departamento Marítimo do Sul, Paulo Isabel.

Aquele responsável vincou que os alertas são dados antes e durante a época balnear e que o afogamento, de um jovem de 16 anos, ocorrido esta sexta-feira, na praia dos Três Pauzinhos, em Vila Real de Santo António, relembra a importância destes cuidados.

“Não é por causa do acidente que ocorreu ontem, mas este acidente relembra-nos a razão destes alertas”, afirmou, acrescentando que “as praias não vigiadas acarretam perigos que a maior parte das pessoas desconhece” e que podem dar origem a acidentes fatais. A morte por afogamento do jovem ocorreu na única praia da área da capitania de Vila Real de Santo António cuja concessão não abriu no início da época balnear, a 01 de junho, não estando ainda vigiada.

Paulo Isabel explicou que os concessionários são obrigados por lei a colocar informação de praia não vigiada quando estão encerrados e que as autoridades não encontraram qualquer placa informativa no local. As causas do acidente estão a ser investigadas, mas Paulo Isabel disse ser cedo para apresentar conclusões, até porque, algumas vezes, as placas colocadas nos locais são furtadas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Das 240 concessões existentes em praias algarvias este ano, dez ainda não estão abertas, mantendo-se as respetivas praias sem vigilância, esclareceu Paulo Isabel adiantando que as 230 concessões já em funcionamento têm vindo a ser fiscalizadas e que, desde 01 de junho, a Polícia Marítima já levantou mais de 20 autos devido a irregularidades.

“Os nadadores salvadores não servem apenas para salvar as pessoas, também têm o trabalho preventivo de alertar as pessoas para os perigos que existem nas praias”, observou aquele responsável, apelando ao usufruto responsável das praias.