Depois de ter sido o primeiro construtor automóvel de escala mundial a assinar um acordo com a Google, para o desenvolvimento de veículos sem condutor, a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) já terá dado início a discussões que levem ao estabelecimento de uma parceria semelhante com a Uber e com a Amazon. Embora avançada por vários órgãos de comunicação internacionais, que adiantam que tal parceria pode ser concretizada e oficialmente anunciada, até ao final deste ano, a notícia ainda não foi comentada por nenhuma das empresas.

Sergio Marchionne

Sergio Marchionne

Certo é que o CEO da FCA, Sergio Marchionne nunca escondeu que a sua visão acerca do futuro dos fabricantes de automóveis passa por uma maior concentração. E também não é segredo que a FCA tem procurado criar parcerias com várias empresas tecnológicas, tendo-se mesmo disponibilizado para construir um automóvel para a Apple.

Na origem desta intenção poderá estar a carência de recursos próprios do construtor italo-americano para desenvolver, sozinho, as tecnologias que permitam materializar o automóvel autónomo. Mas não só. A indústria também pretende estar a par das profundas alterações que parece estar a sofrer o conceito de posse de um automóvel. A confirmá-lo estão, por exemplo, o investimento estratégico que a Toyota decidiu efectuar na Uber; os mais de 250 milhões de euros que o Grupo Volkswagen colocou na Gett, uma rival da Uber sediada em Telavive; ou os cerca de 440 milhões de euros investidos pela General Motors na Lyft, a grande concorrente da Uber nos Estados Unidos da América.