Quando o corpo vai a banhos, a casa também está boa para uma limpeza. Essa é, de resto, a primeira fase para preparar o “lar doce lar” para o verão: “sacudir tapetes, deixá-los a secar ao sol, lavar janelas, remover as manchas de humidade nas paredes e outros vestígios da chuva, limpar lareiras e chaminés”.

Quem o diz é Mafalda Galamas, autora do blogue Decoralista e que no dia 29 de junho vai conduzir, no centro comercial Alegre Alfragide, um workshop de entrada livre dedicado ao tema “Preparar a Casa para o verão”. “Limpar é o primeiro passo. Depois vem o reorganizar e por fim a parte mais divertida — decorar”, atira, em jeito de resumo, ao Observador.

Com as limpezas feitas, o reorganizar pode ver-se como “destralhar”, brinca a também jornalista. “Essencialmente é ver o que usamos, o que faz sentido guardar. É fazer com a casa o mesmo que fazemos com o guarda-roupa quando trocamos as roupas de inverno pelas de verão, separando o que já não queremos para dar ou reciclar.” Ou seja, guardar o edredon bem dobrado (o que parece uma tarefa impossível), guardar também os lençóis polares e de flanela, e dizer olá ao linho e ao algodão.

Na parte divertida — decorar — a leveza dos materiais e a atenção aos detalhes são as principais dicas da especialista, formada em Design de Interiores pela Escola de Moda de Lisboa:

Dentro de casa podemos começar por coisas pequenas: substituir as capas das almofadas, pôr cortinas leves, apostar em acessórios com cores mais alegres, mais de verão. São detalhes, não é preciso gastar muito dinheiro”, diz Mafalda Galamas, dando como exemplo loiças e individuais mais coloridos para tomar o pequeno-almoço ou ainda novos abat-jours nos candeeiros. “Basta mudá-los e já parece que se está noutra sala.”

Para além dos tecidos frescos como o linho ou dos materiais naturais como o bambu, a madeira e o vime, mais confortáveis para o verão — por oposição aos materiais aveludados, mais invernosos –, a “Decoralista” deixa outras duas dicas para refrescar a casa: baixar os estores nas horas de maior calor (um clássico de qualquer alentejano) e apostar em ambientadores com cheiros frescos, sejam florais ou cítricos.

Beautiful, Ornamental Garden, Serene People, Single Flower, Residential Building, Leisure Activity, No People, Environmental Conservation, Seat, Comfortable, Beauty In Nature, Vegetable Garden, Grass, Gardening, Flowerbed, Beauty, Idyllic, Relaxation, Tranquil Scene, Orange Color, Green Color, Wood - Material, Pattern, Nature, Lifestyles, Outdoors, Recreational Pursuit, Orange - Fruit, Tree, Flower, Day, Summer, Springtime, Terraced Field, Balcony, Patio, House, Home Interior, Formal Garden, Design, Decor, Table, Chair, Furniture, friuts,

Se tiver um jardim, aposte desde logo em cadeiras porque “o bom tempo é indissociável do relaxamento, das refeições ao ar livre e do convívio com os amigos”, diz Mafalda Galamas. (Foto: iStock)

“Para quem tem a sorte de ter um espaço ao ar livre — e não precisa de ser um jardim, pode ser um pátio, uma varanda ou um terraço” — e quer tirar partido dele, a regra é igual à de casa: “Começar por ver em que estado estão as vedações e a relva depois das chuvadas, e fazer o mesmo para o que já se tem de anos anteriores. “Se não estiver em bom estado, deve-se investir num chapéu-de-sol de grandes dimensões, para criar uma zona de refeições que incite ao convívio com amigos”, diz Mafalda Galamas. O espaço não deve ser um problema: se não tiver metros quadrados de sobra para uma mesa comprida, um bar ou móvel de apoio com bebidas frescas e uns almofadões já ajudam à conversa de copo na mão.

“Nas varandas agora usam-se muito as cadeiras suspensas, ideais para ficar a relaxar ou a ler um livro, mas o melhor mesmo”, conclui Mafalda, é “ver o que a pessoa gosta e apostar em ambientes temáticos. Há quem goste do ambiente mais marroquino, quem prefira o mais tropical.” Na fotogaleria encontra várias sugestões desta última tendência que invadiu as lojas em forma de palmeiras, catos e flamingos, mesmo a tempo de irmos a banhos… dentro de casa.