762kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Lisboa. IBM demonstrou robô alimentado pelo Watson

Este artigo tem mais de 5 anos

A IBM trouxe um robô a Lisboa para demonstrar algumas das aplicações do sistema Watson. O robô NAO falou, fez piadas e mostrou que conhece Lisboa tão bem como qualquer alfacinha.

Michelle Unger, general manager da IBM Cognitive Solutions, na demonstração das capacidades do robô NAO
i

Michelle Unger, general manager da IBM Cognitive Solutions, na demonstração das capacidades do robô NAO

Flávio Nunes/Observador

Michelle Unger, general manager da IBM Cognitive Solutions, na demonstração das capacidades do robô NAO

Flávio Nunes/Observador

Já ouviu falar do Watson? E de computação cognitiva? Pronto, nós explicamos: trata-se de um sistema informático desenvolvido pela multinacional IBM e que, em traços muito gerais, é capaz de aprender (daí chamar-se cognitivo) e de tomar decisões com base em enormes quantidades de informação.

Convenhamos que, para quem acompanha a atualidade tecnológica, o Watson não é propriamente uma novidade. Só no Observador já falámos dele aqui, aqui e aqui — e até já publicámos uma reportagem em vídeo sobre o assunto. Mas, esta terça-feira, voltámos a ter novidades dele. Mais propriamente em Lisboa, na Estufa Fria, onde a IBM demonstrou um robô alimentado pelas capacidades desta tecnologia.

Chama-se NAO, fala em inglês e é o parente mais próximo do “Connie”, um outro robô desenvolvido pela empresa e programado para ser rececionista em hotéis. O NAO é um bocadinho diferente. No palco, os jornalistas e participantes do evento Business Connect puderam ver o robô a interagir com Michelle Unger, general manager da IBM Cognitive Solutions.

À medida que Unger lhe foi colocando questões, o NAO respondeu e fez piadas pelo meio. Sabia exatamente quem ali estava, com base nos registos da IBM sobre quem tinha sido convidado para o evento. A demonstração culminou com Unger a pedir informações sobre Lisboa e a ouvir, vindo do robô, um autêntico guia turístico para uma tarde bem passada na capital portuguesa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Veja o momento em que o NAO mostrou saber exatamente quem estava na plateia à sua frente (em inglês) — “13% são diretores executivos”, começou por descrever o robô:

[jwplatform O1FtA01g]

A “nova era cognitiva”

“O Watson aprende e não esquece.” A frase é de António Raposo de Lima, presidente da IBM Portugal, e foi dita no discurso de abertura do Business Connect 2016, um evento organizado pela empresa e dedicado “às novas tendências tecnológicas” — e onde foi feita a demonstração do robô NAO. “Em todo o lado vemos sensores” e tecnologias a recolherem dados, disse o presidente.

Mas “80% desses dados, dados não estruturados, estão ocultos”, garantiu. É nesse sentido que surge a aposta da IBM no Watson. A atividade da empresa assenta no fundamento de que tirar partido dessa informação traduz-se em “vantagem competitiva”. Isso vai “diferenciar as organizações”, defendeu Raposo de Lima. “O digital tornou-se, para nós, o diminutivo da transformação”, explicou também.

Disse ainda que a computação entra agora na “nova era cognitiva” e que “o IBM Watson é o expoente máximo desta nova era”, sendo “um sistema que fala, entende linguagem natural”. Já Michelle Unger, que demonstrou o robô em palco, também concordou com isso: “Isto é crítico: a computação está a entrar numa nova era cognitiva. E está a permitir coisas que dantes não eram possíveis”, concluiu.

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.