O presidente da Associação de Hotelaria de Portugal (AHP), Raúl Martins, considerou que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) não terá qualquer impacto no turismo português.

“Em termos de turismo em Portugal não haverá nenhuma consequência”, disse o responsável em declarações à agência Lusa questionado sobre qual será o impacto deste processo para o turismo português, cujo primeiro mercado emissor é o Reino Unido.

Para Raúl Martins, com a vitória da saída (‘Brexit’) apenas se passa “de uma situação informal para uma formal”.

“Os ingleses que são a favor da saída já não viajavam porque são tão britânicos que não saem” da Grã-Bretanha, disse o responsável.

Por outro lado, referiu, Portugal não deixará de acolher os ingleses por terem saído da União Europeia: “É quase um problema afetivo, não é mais do que isso”.

Em relação ao valor do euro, o presidente da AHP admite que num primeiro momento poderá haver “alguma queda”, mas depois “terá tendência para recuperar”.

“Não vai haver barreiras alfandegárias. Os ingleses que não queriam Europa já tinham esta postura há muito tempo”, reiterou.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair da UE, depois de o ‘Brexit’ ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira, cuja taxa de participação foi de 72,2%.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou já a sua demissão com efeitos em outubro.

As principais bolsas europeias abriram hoje em forte queda, com a bolsa de Londres a descer perto dos 8%, mantendo-se ao fim da manhã com perdas entre os 5% e os 11%.

Numa primeira reação, os presidentes das instituições europeias (Comissão, Conselho, Parlamento Europeu e da presidência rotativa da UE) defenderam um ‘divórcio’ o mais rapidamente possível, “por muito doloroso que seja o processo”.