A agência de notação de crédito Standard & Poor’s cortou o rating do Reino Unido em dois níveis, de AAA para AA, e baixou a perspetiva sobre o risco de crédito de longo prazo do país. A agência considera que o facto de os britânicos terem optado por sair da União Europeia afeta a previsibilidade e a estabilidade do Reino Unido.

Para a Standard & Poor’s, o resultado do referendo “é um evento seminal que vai levar a um quadro político menos fiável, estável e eficaz no Reino Unido”. A agência considera que “as divisões profundas tanto dentro do Partido Conservador como na sociedade podem não se curar depressa”, o que terá consequências “na estabilidade governativa e complicar a criação de legislação sobre economia”.

A agência diz igualmente que a economia britânica deverá crescer “significativamente menos” entre 2016 e 2019 do que o originalmente previsto.

É a segunda agência de notação de crédito a punir os britânicos pelo resultado do referendo de quinta-feira passada. Na sexta, a Moody’s também já tinha cortado a perspetiva sobre a dívida de “estável” para “negativa”. Em 2013, a agência Moody’s tinha cortado o rating britânico para AA e a Fitch para AA+. Desta vez, a Standard & Poor’s desceu dois níveis, sem parar no AA+.

A Fitch igualou o rating da Standard & Poor’s e baixou do AA+ para AA. A agência também acredita que o resultado do referendo vai gerar uma onda de incerteza que “vai induzir um abrandamento abrupto no crescimento do PIB a curto prazo, à medida que as empresas adiam o investimento e consideram mudanças do ambiente legal e regulamentar”. A previsão do crescimento do PIB de 2016 foi diminuída de 1,9% para 1,6% e as previsões para 2017 e 2018 baixaram de 2% para 0,9%.

Tanto a Standard & Poor’s como a Fitch estão preocupadas com a possibilidade da independência da Escócia.