O PSD criticou este sábado o PS e o Governo por faltarem ao compromisso eleitoral de reduzirem o valor das portagens na Via do Infante (A22) até ao verão e advertiu que a medida também não será adotada nos próximos meses.

O Partido Social-democrata do Algarve veio hoje a público lembrar que, na campanha eleitoral para as legislativas, o PS “se comprometeu a reduzir, com caráter imediato, o valor das portagens na A22” e alegou “ter um estudo que demonstrava que a redução de 50% não representaria qualquer custo para o Estado”, mas que nunca foi publicado.

“Essa redução imediata seria de, pelo menos, 30%, numa primeira fase, e levou a que, uma semana após as eleições, ainda antes de se perspetivar que o PS formaria Governo, ter sido enviada pelo PS uma carta a exigir que as Infraestruturas de Portugal [empresa responsável pela gestão da rede viária nacional] tomassem essa decisão. Entretanto, acabaram por ser Governo e passaram a ser os destinatários da sua própria exigência”, ironizou o PSD.

O principal partido da oposição, que estava no Governo quando as portagens na antiga autoestrada Sem Custos para o Utilizador (Scut) do Algarve (A22) foram introduzidas, em 08 de dezembro de 2011, recordou ainda que o primeiro-ministro, António Costa, e o ministro das Infraestruturas, também se “comprometeram que a redução teria lugar até ao verão”, repetindo esse compromisso “em múltiplas ocasiões”.

Os sociais-democratas do Algarve também criticaram o BE e o PCP por não terem incluído a redução e eliminação das portagens na A22 nas negociações que levaram aos acordos com o PS para a formação do Governo socialista com apoio da esquerda parlamentar, depois de terem considerado que esta era “a matéria número um para o Algarve”.

“Como o Governo tomou a opção de que a redução nas ex-Scuts seja simultânea, é necessário abrir negociações com o concessionário da A25. Essas negociações ainda não começaram”, advertiu o PSD, numa referência à autoestrada que liga Aveiro à Guarda.

Por estes motivos, o PSD do Algarve considera que “não haverá redução” das portagens na A22 “nem para o verão nem para os próximos meses”, assim como “também não haverá suspensão do pagamento [de portagens na A22] durante as obras na Estrada Nacional 125 (EN125), porque PS, BE e PCP chumbaram a proposta do PSD na Assembleia da República” que pretendia introduzir essa suspensão temporária enquanto decorriam as obras na estrada nacional, que é única alternativa à via do Infante.