Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Chama-se “Pizza”, é um urso polar e vive numa jaula transparente num aquário que existe dentro do centro comercial Grandview em Guangzhou, no sul da China.

O animal apresenta um ar letárgico e triste sob a luz azul do aquário, que aparenta não receber luz natural. O urso polar vive enjaulado para que os visitantes possam tirar selfies com ele, refere o The Guardian.

https://www.youtube.com/watch?v=tpGFjYFHy2A

O ar de desolação do bicho levou a que fosse apelidado de “urso polar mais triste do mundo” pela associação de proteção dos animais Animals Asia, que promove uma petição online para que o aquário seja encerrado.

https://vine.co/v/iX9gA2tettO

Mais de 300 mil já assinaram a petição contra o funcionamento do aquário, que desde a sua abertura ao público em janeiro deste ano tem sido denunciado pelos defensores dos direitos dos animais como “uma terrível prisão”, onde os animais marinhos e polares — entre eles baleias beluga, morsas e lobos do ártico — vivem em condições “horríveis”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A gestão do Aquário Grandview rejeita que o animal esteja a sofrer ou a ser maltratado. . “O urso polar no aquário está muito feliz”, disse Li Chengtang, vice-gerente, ao jornal Guangzhou Daily.

Depois de muitas queixas, a associação Animals Asia, baseada em Hong Kong, foi convidada a visitar o aquário. A gerência do aquário mostrou-se genuinamente preocupada com o alarido provocado e manifestou interesse em melhorar o bem-estar dos animais.

Embora não exista qualquer indicação de que o aquário vá fechar, Dave Neale, diretor do bem-estar animal do grupo, prometeu dar aos animais “uma vida melhor” em resposta às críticas.

Na China, a indústria dos parques de diversões está em crescimento e segundo o The Sidney Morning Herald, conta já com pelo menos 39 parques temáticos sobre os oceanos, que batem recordes de visitas apesar das reservas quanto às condições em que vivem os animais marinhos. Está prevista a abertura de mais de uma dezena de novos parques temáticos nos próximos dois anos.