501kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Atleta neozelandês de jiu-jitsu relata sequestro no Brasil

Este artigo tem mais de 5 anos

Jason Lee, lutador de jiu-jitsu neozelandês, foi revistado por agentes da polícia fardados que depois o sequestraram em troca de cerca de 550 euros que ele levantou em dois multibancos.

Jason Lee foi viver para o Brasil para melhorar a técnica no jiu-jitsu brasileiro
i

Jason Lee foi viver para o Brasil para melhorar a técnica no jiu-jitsu brasileiro

Jay Lee/Facebook

Jason Lee foi viver para o Brasil para melhorar a técnica no jiu-jitsu brasileiro

Jay Lee/Facebook

Jason Lee, lutador de jiu-jistu da Nova Zelândia, publicou este domingo nas redes sociais que foi vítima de um sequestro levado a cabo por homens fardados — alegadamente polícias — na região do Rio de Janeiro.

O atleta terá sido parado e foi-lhe pedido o passaporte por ser cidadão estrangeiro. Depois de ter sido revistado terá sido obrigado a entrar num carro e forçado a parar em duas caixas multibanco para levantar dinheiro, cerca de 2000 mil reais (o equivalente a 555 euros), segundo a revista Time. O crime terá ocorrido quando o lutador regressava ao Rio de Janeiro, depois de uma competição em Resende, na região Sul Fluminense. Estava a cerca de 2o minutos do Rio de Janeiro quando o crime aconteceu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo contou numa publicação na sua conta do Facebook, Jason Lee clarificou que o sequestro foi realizado por “polícias vestidos com o uniforme completo”.

“Fui ameaçado de prisão se não entrasse no carro particular deles e os acompanhasse até duas caixas multibanco para levantar uma grande soma de dinheiro como suborno”, escreveu. Jason Lee aproveitou também para dar a sua opinião sobre o estado do país, quando faltam apenas duas semanas para o início dos Jogos Olímpicos de 2016.

“Não sei o que é mais deprimente, o fato destas coisas estarem a acontecer com os estrangeiros tão perto dos Jogos Olímpicos ou o fato de os brasileiros terem de viver numa sociedade que permite que este tipo de coisas aconteça diariamente”, lê-se na publicação.

Jason Lee vive nos Brasil há um ano com a namorada, Laura McQuillian, jornalista de profissão e também neozelandesa, conta o jornal ZN Herald. O atleta não está integrado na comitiva da Nova Zelândia aos Jogos Olímpicos, uma vez que o jiu-jitsu não é um desporto olímpico. Jason Lee está no Brasil há cerca de um ano e veio ao país para aperfeiçoar a técnica no jiu-jitsu brasileiro.

Laura McQuillian também comentou no Twitter (que segundo o seu perfil é correspondente dos Jogos Olímpicos) o alegado crime terá sido cometido por elementos da Polícia Militar.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.