As operações aéreas dos aeroportos dos Açores, Funchal, Porto Santo e Faro estão “a decorrer normalmente”, mas em Lisboa há um “tempo de espera significativo” para as filas do controlo de segurança e há voos com atrasos de até uma hora.

A informação foi prestada à Lusa por fonte oficial da ANA – Aeroportos de Portugal no dia em que os trabalhadores da Prosegur e da Securitas, que asseguram o raio-x da bagagem de mão e o controlo dos passageiros e também dos trabalhadores dos aeroportos, cumprem uma paralisação de 24 horas ao trabalho extraordinário.

A mesma fonte indica que nos Açores, no Funchal, no Porto Santo e em Faro, “as operações estão a decorrer normalmente e sem qualquer constrangimento devido à greve”, um protesto que, segundo a ANA, está a ter impacto em Lisboa.

No aeroporto de Lisboa, “as filas para o controlo de segurança têm um tempo de espera significativo” e “há alguns voos com atraso entre meia e uma hora”, situação que “deverá manter-se pelo menos até à troca de turno” destes trabalhadores, o que acontece às 16:00.

Fonte da ANA reiterou um apelo que já tem vindo a fazer, pedindo aos passageiros para que “colaborem, chegando mais cedo” aos aeroportos.

Esta paralisação de 24 horas foi marcada após mais de nove meses de negociações entre o sindicato e a Associação das Empresas de Segurança (AES) para a celebração de um novo contrato coletivo de trabalho.

O dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) Fernando Henriques disse recentemente à Lusa que “os trabalhadores destas duas empresas são responsáveis pela segurança de cerca de 40 milhões de passageiros que, por ano, passam pelos aeroportos portugueses”.

O sindicalista alertou que, “com as condições em que trabalham, mais tarde ou mais cedo”, podem existir “problemas graves”, considerando que “é altura de olhar com atenção para esta questão”.