Hillary Clinton, a candidata democrata às presidenciais norte-americanas, considerou esta quinta-feira que a detenção e morte do líder do grupo extremista Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, deve ser “uma prioridade absoluta” para os Estados Unidos da América.

“Apanhar al-Baghdadi exige esforços ao mais alto nível, mas enviaria uma mensagem forte: ninguém pode dirigir ou planear ataques contra os Estados Unidos da América e ficar impune”, declarou durante uma breve conferência de imprensa no aeroporto de White Plains, no estado de Nova Iorque.

Clinton reafirmou que o seu rival republicano, Donald Trump, não tem uma estratégia para derrotar os jihadistas, numa referência às declarações feitas pelo candidato na quarta-feira. Questionado sobre o que faria para travar o terrorismo global, Trump respondeu que “tiraria o petróleo” dos jihadistas, o que segundo Clinton o “desqualifica” para a Casa Branca.

Em vez de apresentar uma estratégia para o Médio Oriente, Donald Trump elogiou o Presidente russo, Vladimir Putin, e sugeriu que ele é um líder mais forte que o Presidente Barack Obama, disse Clinton. “Isto não é apenas antipatriótico e insultante para os habitantes do nosso país e para o nosso comandante supremo, é assustador”, declarou.

Hillary Clinton estará esta quinta-feira em campanha em Charlotte, na Carolina do Norte, e em Kansas City, no Missouri.