Durão Barroso

Multiplicam-se as críticas a Barroso e pedidos para perda de privilégios

275

Depois da carta de Juncker, agora é um "grupo espontâneo de funcionários das instituições europeias" a pedir aos dirigentes europeus para tomarem uma atitude face à ida de Barroso para o Goldman Sachs

Durão Barroso presidiu à Comissão Europeia entre 2004 e 2014 e foi contratado em julho pelo banco norte-americano

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Marlene Carriço

Multiplicam-se as críticas a Durão Barroso e a pressão para o ex-presidente da Comissão Europeia perder privilégios. Agora, e depois da carta do atual presidente Jean-Claude Juncker, foi a vez de um “grupo espontâneo de funcionários das instituições europeias” pedir aos dirigentes europeus para que tomem uma atitude face à “decisão moralmente repreensível” de Barroso ter aceitado funções no Goldman Sachs, escreve o Diário de Notícias. Também esta terça-feira, François Hollande veio dizer que apoia “inteiramente” a iniciativa de submeter a uma comissão de ética a contratação de Durão Barroso pela Goldman Sachs.

Na carta que vai ser dirigida, esta terça-feira, aos presidentes da Comissão Europeia, do Parlamento e do Conselho europeus, e a que o Diário de Notícias teve acesso, estes funcionários criticam o facto de um ex-presidente de uma instituição europeia aceitar trabalhar para um dos bancos mais envolvidos na crise da dívida.

Imediatamente sentimos que este exemplo caricatural – mais um! – da prática da ‘porta giratória’ irá inevitavelmente, e no pior momento, provocar danos no projeto europeu e na imagem das instituições europeias”, lê-se na carta, onde se lê também que se estiver em causa a violação do “princípio da integridade e discrição” relativamente à UE, devem ser tomadas “medidas fortes e exemplares” como a suspensão da sua pensão e de todos os títulos honoríficos.

Uma pensão que, segundo escreve Carlos Segovia, num artigo de opinião no jornal El Mundo, ascende aos 18 mil euros por mês, o equivalente a 70% dos 26 mil euros mensais que auferia enquanto Presidente da instituição europeia. Barroso tem direito a esta pensão vitalícia até completar 65 anos.

O atual Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, também já deu orientações para o ex-primeiro-ministro português e seu antecessor no cargo perder “privilégios de passadeira vermelha”. A notícia foi avançada, no fim de semana, pelo Financial Times, que escreveu que Barroso passará a ser recebido em Bruxelas “não como antigo presidente, mas como representante de um interesse e será sujeito às mesmas regras” que os restantes lobistas.

Além disso, e de acordo com o jornal britânico, Juncker quer pedir novo parecer à comissão de ética da Comissão Europeia sobre o eventual conflito de interesses. E o presidente francês François Hollande já veio dizer, esta terça-feira, que apoia “inteiramente” a iniciativa do presidente da Comissão Europeia de submeter a uma comissão de ética a contratação de Durão Barroso pelo banco norte-americano Goldman Sachs.

Lembre-se que esta comissão já se pronunciou sobre o caso, considerando não estar m causa um conflito de interesses, uma vez que passaram mais de 18 meses desde a saída de Durão Barroso da presidência da Comissão Europeia.

Entretanto têm-se multiplicado outras manifestações públicas de repúdio em relação à ida de Barroso para o Goldman Sachs e a petição lançada a 11 de julho — “Em nosso nome, não!” –, que estará em curso até ao fim de setembro, para que o ex-presidente da Comissão perca privilégios tais como a pensão, conta já com 140 mil assinaturas. O objetivo dos criadores é chegarem às 150 mil.

Durão Barroso presidiu à Comissão Europeia entre 2004 e 2014 e foi contratado em julho pelo banco norte-americano, como conselheiro para as questões ligadas à saída do Reino Unido da União Europeia. A ida de Durão Barroso para a Goldman Sachs International, um dos maiores bancos de investimento do mundo, tem gerado fortes críticas de vários representantes europeus. Pierre Moscovici, comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, por exemplo, deu a entender que Barroso deveria ter feito uma “reflexão política, ética e pessoal” e “pensar na imagem que projeta”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)