Rádio Observador

José Sócrates

Sigilo bancário. Sócrates faz “ligeira crítica” ao PS

438

A ideia era falar sobre Globalização e Política Externa. Mas a palestra do ex-primeiro-ministro acabou por ficar marcada pelas críticas ao Governo e ao PS, pelo "poder" que estão a dar ao Fisco.

LUIS FORRA/LUSA

Autor
  • Pedro Raínho

Demorou um pouco mais de 20 minutos, e o ex-primeiro-ministro até se fez de difícil – “eu prometi a mim mesmo não falar do mesmo processo” -, mas José Sócrates acabou mesmo por abordar o tema. E fê-lo, numa conferência em que devia falar sobre “Política Externa e Globalização”, para atacar o PS e o Governo por estarem a dar demasiado poder ao Fisco.

“O PS no governo acha que deve dar ao Estado, à Autoridade Tributária, ao Fisco, a possibilidade de ter acesso às contas bancárias de todos os cidadãos acima de 50 mil euros, em nome do combate a fraude”, começou por enquadrar Sócrates, para depois concretizar que o que o preocupa “é que por trás do discurso de combate [à evasão fiscal] está uma concentração de poder nos organismos do Estado que é perigosa para todos”.

Mas as críticas de José Sócrates não se centraram apenas no PS. Esta sexta-feira, em Lisboa, numa conferência organizada pelo departamento de mulheres socialista da capital, o ex-primeiro-ministro criticou também a “duplicidade moral” de PSD e CDS, questionando a “autoridade moral” dos partidos para criticar o acesso do Fisco às contas com saldos bancários acima dos 50 mil euros.

“Afasto-me também de todos aqueles que com uma duplicidade moral que é verdadeiramente impressionante criticam agora esta medida do governo quando, durante quatro anos do governo, assistiram à transformação da autoridade tributaria numa máquina de guerra que até lhes tirava as casas”, referiu o socialista.

Sócrates “ao lado” de Mortágua

Antes de referir-se ao seu próprio processo judicial, Sócrates falou sobre o julgamento de Nuremberga para lembrar que “a universalização dos direitos do homem nasceu nesse momento, porque pela primeira vez a humanidade tinha uma lei que se sobrepunha a todas as outras”. E para defender que, a partir desse momento, o Estado perdeu o direito de ultrapassar as “linhas vermelhas” dos direitos do homem.

Os voos rasantes à sua própria condição de arguido (Sócrates é investigado por suspeita dos crimes de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais) foram identificados (também) pelos socialistas na sala numa série de outras passagens da intervenção, que se prolongou por cerca de uma hora. Mas um dos argumentos que mais aplausos recebeu da assistência coincidiu com o momento em que Sócrates se colocou “ao lado” de “uma deputada” do Bloco de Esquerda.

Mariana Mortágua é, de resto, “uma das vozes mais interessantes do Espaço Público” e Sócrates nem sequer compreende “o que ela propôs de especial” ao defender a aplicação de um imposto sobre casas avaliadas em um milhão de euros. “Não propôs nacionalizações nem pôs em causa nenhum direito fundamental”, pelo que não se compreende a “berraria” da oposição. “Não posso deixar de me por ao lado dela quando ouço critica contra uma proposta tão modesta e insignificante”, referiu.

Ana Gomes fez “o jogo da direita”

Posição bem diferente foi aquela que Sócrates adotou para falar de Ana Gomes. A eurodeputada socialista condenou o convite lançado ao ex-primeiro-ministro por uma estrutura do PS: “Vejo o convite com preocupação, porque vem de setores que acham que a imagem de José Sócrates é recuperável. E eu acho que ela é extremamente danosa para o PS e para o país, e tem de ser o PS o primeiro a reconhecê-lo e não o contrário”.

Sócrates classificou as declarações de Ana Gomes como “absolutamente repugnantes”. Para o ex-líder socialista, a eurodeputada alinhou no “jogo da direita, que pretende uma condenação sem julgamento”.

“Já me habituei a ser insultado por muitos dos meus adversários políticos e por todos aqueles que pretendem fazer uma condenação sem julgamento, mas nunca pensei que, dentro do PS, alguém pudesse dizer coisas daquelas, insultando um camarada seu e fazendo o jogo dessa direita que pretende fazer uma condenação sem julgamento”, disse Sócrates. “A coisa mais horrorosa que há são esses comportamentos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
José Sócrates

António Costa, o da memória má /premium

José Diogo Quintela
1.536

A questão não é os portugueses terem má memória da maioria absoluta do PS, antes é os portugueses não se lembrarem bem do que aconteceu nesse tempo. Se se lembrassem, não votariam nos mesmos marotos.

Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)