Rádio Observador

Restaurantes

Estação de São Bento vai ter mercado Time Out, hostel e Starbucks

353

O edifício, classificado como Imóvel de Interesse Público, prepara-se para atrair ainda mais visitantes. O primeiro café Starbucks do Porto também pode abrir ali nos próximos meses.

A estação de São Bento comemorou esta quarta-feira 100 anos.

© Diogo Delso

A Estação de São Bento vai ter um hostel até ao final do ano. Pelo menos é o que diz a empresa pública Infraestruturas de Portugal, proprietária da histórica estação portuense. As obras estão “quase concluídas” e preveem a instalação do primeiro café Starbucks da cidade do Porto. No segundo semestre de 2017, o grupo Time Out afirma que vai abrir ali um mercado semelhante ao que já tem em Lisboa, no Mercado da Ribeira. No entanto, a Câmara Municipal do Porto reagiu dizendo, em comunicado, que ainda não entrou na autarquia qualquer pedido de licenciamento.

O anúncio das novidades foi feito na quarta-feira, dia em que se comemorou o 100.º aniversário da inauguração da estação ferroviária, desenhada pelo arquiteto José Marques da Silva. A cerimónia do centenário da Estação de São Bento contou com a presença do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, e do presidente do Conselho de Administração Executivo da Infraestruturas de Portugal, António Laranjo. No entanto, Rui Moreira escreveu esta quinta-feira, na sua página de Facebook, em reação às notícias sobre os novos negócios:

À Câmara do Porto não chegou nenhum pedido de licenciamento. Mas, antes disso, um projeto deste género terá que ser aprovado pela Direção Geral da Cultura, já que se trata de um monumento.”

O Observador tentou confirmar com a Direção-Geral do Património Cultural se já existe algum parecer, mas não conseguiu obter resposta. De acordo com o grupo Time Out, que dá o projeto como certo, o mercado terá 2.200 metros quadrados, com 15 restaurantes, quatro bares, quatro lojas, uma cafetaria e uma galeria de arte. “Tudo alicerçado em negócios locais”, garantiu em comunicado o grupo, que detém as revistas Time Out Lisboa e Time Out Porto. De acordo com a planta, o amplo espaço ficará do lado da Rua do Loureiro.

mercado da ribeira

Pormenor do Mercado da Ribeira, em Lisboa. Foi o primeiro que o grupo Time Out abriu. © David Clifford / divulgação

Em 2014, o grupo inaugurou o Mercado da Ribeira em Lisboa, que também organiza, ocasionalmente, espetáculos culturais. No Porto, o mercado deverá ter 500 lugares sentados para os potenciais clientes. E são muitos: todos os meses, cerca de um milhão de passageiros utiliza esta estação, que é também muito visitada pelos turistas que querem admirar os painéis de azulejos da autoria de Jorge Colaço (1868-1942).

De acordo com o plano de dinamização da empresa pública Infraestruturas de Portugal, a unidade hoteleira que deverá abrir em dezembro deste ano chama-se inStation Hostel & Student Residence e fica do lado da Rua da Madeira, junto ao café Jeronymo, do grupo Jerónimo Martins, aberto desde setembro.

O plano, que inclui também uma requalificação das bilheteiras da estação, prevê a criação de 500 novos postos de trabalho diretos e a duplicação da receita obtida em 2015. No início do ano, a empresa tinha garantido também uma reformulação das instalações sanitárias existentes, “garantindo melhores condições de utilização da estação”.

sao bento plano

A cor roxa está o café Jeronymo, aberto desde setembro. Ao lado, a laranja, fica o futuro hostel. Do lado oposto, o espaço verde escuro simboliza o futuro Starbucks. A verde claro está a bilheteira da CP. Ao lado, a castanho claro, ficará o Mercado Time Out.

Notícia atualizada com o esclarecimento da Câmara Municipal do Porto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)