Américo Amorim renuncia a presidência não executiva da Galp Energia, invocando razões pessoais. Para o substituir é indicada Paula Amorim, a filha do empresário que estava na administração da petrolífera.

O empresário que é o maior acionista da Galp assumiu o cargo de presidente não executivo nos últimos quatro anos, mas já acompanha de perto a gestão da petrolífera desde que passou a ser um dos acionistas de referência no final de 2005. O conselho de administração da petrolífera indicou como como seu sucessor, Paula Amorim, a filha mais velha do empresário que já era administradora não executiva da empresa de petróleo e gás natural.

Para a administração entra ainda por cooptação outra filha do empresário, Marta Amorim, que é também vice-presidente do grupo Amorim, administradora da Amorim Energia e tem experiência no setor bancário, diz a Galp em comunicado. Miguel Athayde Marques foi nomeado vice-presidente do conselho de administração da petrolífera.

O anúncio da renúncia de Américo Amorim surge semanas depois de o empresário ter vendido uma participação de 5% no capital da Galp, reduzindo a sua posição para 33,34%. O empresário entrou na Galp no final de 2005, acabando por substituir os italianos da Eni como investidor de referência da empresa de gás e petróleo que é a única grande do setor que continua a ter um acionista português.

O empresário é considerado o homem mais rico de Portugal, em grande medida por causa das ações que tem na petrolífera que disputa com a EDP e a Jerónimo Martins a distinção de empresa mais valiosa da Bolsa de Lisboa com uma capitalização bolsista superior a dez mil milhões de euros. O património de Américo Amorim está avaliado em 3,1 mil milhões de euros, no ranking da revista Exame.

Américo Amorim tem 82 anos e segundo foi noticiado em março deste ano esteve internado para uma intervenção cirúrgica.