534kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

High five. Vem aí o 5º mandato de Vieira no Benfica

Este artigo tem mais de 5 anos

Arranca esta quinta-feira o quinto mandato do presidente. Vai daí, eis o balanço dos últimos 12 anos e 11 meses, em que LFV contrata oito treinadores e acumula 16 títulos no futebol (entre outros).

Luís Filipe Vieira dá um bigode à concorrência e está há 4746 dias no Benfica
i

Luís Filipe Vieira dá um bigode à concorrência e está há 4746 dias no Benfica

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Luís Filipe Vieira dá um bigode à concorrência e está há 4746 dias no Benfica

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Na baliza, Moreira. O quarteto defensivo inclui Miguel, Argel, Hélder (capitão) e Ricardo Rocha. No meio-campo, Geovanni, Tiago, Petit e Simão. O ataque entregue a Sokota mais Nuno Gomes. Entram ainda Armando, Roger e Carlitos. O treinador é espanhol e chama-se José Antonio Camacho. Estamos a 2 novembro 2003, um domingo. A ressaca eleitoral de sexta-feira à noite já lá vai e Luís Filipe Vieira ocupa comodamente o lugar na bancada central. É o seu primeiro jogo como presidente. E é também a estreia oficial da nova Luz. O adversário é o Beira-Mar e, nessa altura, o campeonato denomina-se SuperLiga.

É super, mesmo. O resultado final de 2-1 para o Beira-Mar. É o Benfica a marcar primeiro, por Simão, assistido por Hélder, aos 40 minutos. A segunda parte é um carrossel de emoções sem igual. Dois lances pensados por Juninho Petrolina isolam Sandro (52′) e Wijnhard (63′) para a reviravolta. Em 22 jogos na casa do Benfica para o campeonato, é a primeira vitória de sempre dos aveirenses. A festa é imensa. Parabéns à equipa de António Sousa. A de Camacho nem por isso. Vieira sai de fininho da Luz, como quem não quer a coisa. Voltaria lá quatro dias depois, para a Taça UEFA. E sai com um sorriso nos lábios, pelo 3-1 ao Molde (Noruega), golos de Nuno Gomes, Geovanni e Nuno Gomes. A primeira semana do presidente acaba em Alverca. E esta, hein?! Coincidência das coincidências. O Benfica ganha largo, 3-0 por Tiago, Geovanni e Tiago.

Doze anos, onze meses e tantos dias depois, eis Vieira ainda no Benfica. Com outra estrutura, com outro palavreado, com outro ar, com outra equipa. Esta é a do tri. O último jogo é o do Restelo, onde se faz história pela 16.ª vitória seguida fora para o campeonato, algo nunca visto em Portugal (bate o recorde do Benfica de Hagan em 1973). Com golos de Mitroglou e Grimaldo, o Benfica confirma o primeiro lugar à passagem da oitava jornada na semana em que ganha 2-0 em Kiev para ganhar outro élan no grupo B da Liga dos Campeões. A equipa é totalmente diferente. E totalmente nova. Por nova, entenda-se isto: do onze, mais de metade é sub-23 (Ederson, Nélson Semedo, Lindelof, Grimaldo, Gonçalo Guedes e Cervi).

Hoje, aos 67 anos de vida, Luís Filipe Ferreira Vieira arranca para o quinto mandato no Benfica. Como lhe correm os outros quatro? Ei-los, com dois títulos de campeão europeu em futsal e hóquei.

1.º mandato (2003-2006)

Candidata-se às eleições presidenciais de 31 outubro 2003 como gestor de futebol profissional do Benfica. Os sócios escolhem o sucessor de Manuel Vilarinho e a lista de Luís Filipe Vieira ganha confortavelmente com 90,47% (174.074 votos), a maior percentagem de sempre desde os 87,6% de Manuel Damásio em 1997. Sem hipótese para os rivais Jaime Antunes (7,32%) e Guerra Madaleno (0,7%).

https://www.youtube.com/watch?v=KrQ47toeF7Y

No seu mandato, a primeira notícia relevante é a trágica morte de Miklos Féher durante um jogo em Guimarães para o campeonato, a 25 janeiro 2004. O Benfica inicia uma fase de luto e o número 29 é retirado em memória do jovem húngaro. Em abril desse ano, entra José Viega na SAD e chega o primeiro título da era-Vieira. É a Taça de Portugal 2003-04, com José Antonio Camacho ao leme (2-1 ao Porto, no Jamor) naquela que ainda hoje é a única final perdida por Mourinho. No verão 2004, sai Camacho e entra Trapattoni. O italiano ajuda o Benfica a sagrar-se campeão nacional 11 anos depois e perde a final da Taça com o Vitória de José Rachão. Ao italiano segue-se o holandês Ronald Koeman, vencedor da Supertaça nacional, além da ida aos quartos da Liga dos Campeões (Barcelona, 0-0 na Luz, 2-0 em Camp Nou). Em maio 2006, Vieira cumpre um sonho antigo e contrata Rui Costa ao Milan.

2.º mandato (2006-2009)

No dia 27 de outubro de 2006, os sócios do Benfica deslocam-se ao Estádio da Luz para escolher o sucessor de Vieira: ou sim ou sim. É que não há rival para o atual presidente e assim é com naturalidade que Vieira abarca 95,6 por cento dos votos. A primeira ação digna de registo é a demissão de José Veiga como diretor-geral da SAD, a 16 novembro 2006. Nunca mais volta a desempenhar funções no clube e, a partir daí, abre uma guerra aberta com Vieira, consolidada em 2009 ao dar a cara pelo movimento Vencer, Vencer, que desiste de ir a votos à última hora.

Sem Veiga, o Benfica continua, é claro. A 5 outubro 2007, o livro dos recordes do Guiness reconhece o clube de Vieira como aquele com mais sócios do mundo. Desportivamente, o Benfica é quase um zero. Sem títulos à vista, Rui Costa inicia em maio 2008 o cargo de diretor desportivo, um dos objetivos de Vieira para tapar o lugar deixado em aberto pela saída de José Veiga. A primeira decisão em comum é contratar o treinador Quique Flores, vencedor do quarto troféu da era Vieira: a Taça da Liga 2009, naquela final com o Sporting resolvida nos penáltis. Primeiro por Lucílio Baptista, ainda no tempo regulamentar, depois por Carlos Martins, no desempate. Apesar disso, o espanhol não vinga e é contratado Jorge Jesus.

3.º mandato (2009-2012)

Com protestos da oposição, Vieira marca eleições para o início da pré-época desportiva 2009-10 e esmaga uma vez mais a concorrência, desta vez representada por Bruno Carvalho, que tem a capacidade de somar menos votos (6610) do que aqueles em branco e dos indecisos (13 519). É a segunda eleição mais concorrida de sempre, com 223.665 votos. No seu terceiro mandato, Vieira começa muito bem com o título de campeão nacional mais a revalidação da Taça da Liga com um claro 3-0 ao Porto, no Algarve.

Jorge Jesus confirma-se como aposta acertada. O que se segue não é de todo animador. A equipa perde espaço para o Porto e só consegue festejar na Taça da Liga: dois-um ao Paços de Ferreira em 2011 e outro 2-1 em 2012, ao Gil Vicente. Ao trajeto desportivo, segue-se a contestação em setembro 2012, durante a Assembleia Geral. Quatro mil sócios aprovam o relatório e contas 2011/12 (saldo negativo de 12,9 milhões de euros), só que sete mil estão contra. Vieira sobe ao palanque e é de tal maneira contestado com insultos vários que nem intervém. A cena prolonga-se e até rebenta um petardo no interior da sala. Os sócios pedem a demissão de Vieira e o presidente é obrigado a sair escoltado pela polícia.

4.º mandato (2012-2016)

O Benfica adere ao voto eletrónico (viva a modernidade) e tudo corre pelo melhor nas eleições mais concorridas de sempre, com 22.676 votos (83,02% para Vieira, resultante de 18 139 votantes), à frente dos 21.804 de Vale e Azevedo vs. Manuel Vilarinho em outubro 2000. No período eleitoral, o adversário é Rui Rangel. E a figura é o brasileiro David Luiz, apoiante categórico de Vieira. “Só quem não acompanhou o período de Vieira nestes anos é que pode questioná-lo. É o homem ideal para o Benfica e seria eleito se se candidatasse às eleições do Brasil.”

É o melhor período do Benfica, em termos desportivos. O de afirmação plena, com ultrapassagem ao Porto em matéria de títulos. O início é desagradável, com aquele final de época 2012-13 desconcertante. Ao empate em casa com o Estoril (1-1), segue-se o golo de Kelvin no último suspiro (2-1 no Dragão), o cabeceamento de Ivanovic aos 90’+2 (Chelsea, 2-1 na final da Liga Europa) e a reviravolta do Vitória de Vitória (2-1 no Jamor). Vieira mantém Jesus contra tudo e contra todos. A época seguinte inicia-se nos Barreiros, com uma derrota vs Marítimo. A polémica cresce imenso. Na jornada seguinte, o Gil está a ganhar 1-0 ao Benfica na Luz até aos 90’+2. Markovic empata, Lima faz o 2-1 aos 90’+3. A partir daqui, o céu é azul. Três títulos seguidos de campeão nacional, algo nunca visto desde os anos 70, uma Taça de Portugal, três Taças da Liga e duas Supertaças.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.