Deborah Giannecchini, de Modesto, Califórnia, decidiu levar a tribunal a famosa marca Johnson & Johnson por acreditar ter sido o pó de talco da Johnson’s baby que lhe causou cancro do ovário. O juiz deu-lhe razão e recebeu uma indemnização de 70 milhões de dólares [50,7 milhões de euros].

A mulher foi diagnosticada com cancro do ovário em 2012. Entretanto, decidiu acusar a Johnson & Johnson de “conduta negligente” na produção e comercialização dos seus produtos, nomeadamente, do seu pó de talco. O advogado de Giannecchini, Jim Onder, afirma estar satisfeito “porque o júri fez a coisa certa”.

Uma vez mais foi reafirmada a necessidade da Johnson & Johnson alertar o público sobre o risco de cancro nos ovários associado ao seu produto”.

Este é o caso mais recente a levantar preocupações sobre o aumento de problemas de saúde associado ao uso regular de pó de talco.

Algumas pesquisas não encontram qualquer ligação entre o cancro do ovário e o pó de talco e a marca continua a insistir de que é seguro. Outras investigações, pelo contrário, indicam que as mulheres que usam regularmente pó de alto nas suas zonas genitais têm 40% mais risco de desenvolver cancro do ovário. Fatores que aumentam esse risco incluem a idade, obesidade, terapia de estrogénio depois da menopausa, não ter filhos e os histórico familiar de saúde.

O talco é um mineral suave transformado num pó branco. O talco tem sido amplamente utilizado em cosméticos e em outros produtos de higiene pessoal, para absorver a humidade, pelo menos desde 1894 quando a Johnson & Johnson lançou o pó de talco para bebé.

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancro classifica o uso genital de talco como “possivelmente cancerígeno”.

Depois do veredicto, a marca disse em comunicado:

Vamos recorrer do veredicto porque somos guiados pela ciência, que suporta a segurança do pó de bebé da Johnson”.

No início deste ano, dois outros processos em St. Louis terminaram com indemnizações de 127 milhões de dólares. Já em New Jersey, a marca ganhou outros dois processos porque o juiz considerou não haver uma forte evidência que sustente que o talco causa cancro do ovário.

Cerca de 2.000 mulheres já levantaram ações judiciais contra a Johnson & Johnson e os advogados têm revisto milhares de potenciais casos. A marca é criticada por diversos grupos de consumidor e de saúde por causa dos ingredientes que utiliza nos seus produtos.