A Birmânia está a levar a cabo uma “limpeza étnica” da minoria muçulmana rohingya, afirmou o representante do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) na cidade fronteiriça de Cox’s Bazar, no Bangladesh.

Aproximadamente 30 mil rohingya abandonaram as suas casas na Birmânia para fugir à escalada da violência, depois de as tropas terem ocupado a zona onde habitam no início do mês, de acordo com dados da ONU.

John McKissick, chefe do ACNUR na cidade de Cox’s Bazar, no Bangladesh, na fronteira com a Birmânia, disse à BBC que os militares estavam a “matar homens, incluindo a tiro, a massacrar crianças, a violar mulheres e a incendiar e saquear as suas casas, forçando estas pessoas a atravessar o rio” para o Bangladesh.

Daca tem resistido aos apelos internacionais para que abra a sua fronteira para impedir uma crise humana, dizendo antes à Birmânia que tem de fazer mais para evitar que a minoria rohingya entre no país.

“É muito difícil para o governo do Bangladesh declarar que a fronteira está aberta porque isso iria encorajar o governo da Birmânia a continuar com as atrocidades e a ’empurrá-los’ até atingir o seu objetivo final de limpeza étnica da minoria muçulmana na Birmânia”, afirmou John McKissick

Um porta-voz do Presidente da Birmânia, Htin Kyaw, criticou os comentários.

“Eu gostaria de questionar o profissionalismo e a ética que devem ser seguidos e respeitos pelo pessoal da ONU. Ele deveria falar com base em factos concretos e verdadeiros, não deveria fazer acusações” deste tipo, reagiu Zaw Htay em declarações à agência AFP.

Não é a primeira vez que tais alegações são feitas relativamente à Birmânia.

Em abril de 2013, a Human Rights Watch afirmou que o país estava a levar a cabo uma campanha de limpeza étnica contra os rohingya – acusação igualmente rejeitada pelo então Presidente birmanês, Thein Sein, que falou de uma “campanha de difamação”.

Contudo, a escala do sofrimento humano tornou-se mais clara na quinta-feira, com pessoas desesperadas como Mohammad Ayaz a contarem como as tropas atacaram a sua aldeia e mataram a sua mulher grávida.

Mohammad Ayaz relatou que os soldados mataram pelo menos 300 homens no mercado da aldeia e violaram dezenas de mulheres antes de incendiar quase 300 casas, lojas de muçulmanos e a mesquita onde era imã.

“Eles mataram a minha mulher, Jannatun Naim, a tiro. Ela tinha 25 anos e estava grávida de sete meses. Eu refugiei-me num canal com o meu filho de dois anos que foi atingido por uma coronha de uma espingarda”, disse Ayaz à agência noticiosa francesa.

Ayaz vendeu o seu relógio e sapatos para pagar a travessia e encontrou abrigo num acampamento de refugiados rohingya não-registados.

Muitos daqueles que procuram abrigo afirmaram ter andado durante dias e de ter atravessado em embarcações raquíticas o rio para o vizinho Bangladesh, onde centenas de milhares de refugiados rohingya vivem, oficialmente registados, há décadas.

A Birmânia não reconhece a cidadania aos rohingya – considerados pelas Nações Unidas uma das minorias mais perseguidas do planeta – que viram a sua condição agravar-se em 2012 na sequência de surtos de violência sectária com a maioria budista do estado de Rakhine, no oeste do país, que resultaram em dezenas de mortos.

Desde então, as autoridades limitaram a sua liberdade de movimentos, forçando milhares a viver confinados nas suas aldeias ou amontados em campos de refugiados, e aprovaram leis que restringem o número de filhos e os casamentos inter-religiosos.

Com o agravamento da crise, o Bangladesh anunciou na quarta-feira que tinha convocado o embaixador birmanês para transmitir a sua “profunda preocupação”.

“Apesar do sincero esforço dos nossos guardas de fronteira para travar o influxo, milhares de cidadãos desesperados, incluindo mulheres, crianças e idosos, continuam a atravessar a fronteira para o Bangladesh”, sendo que “milhares de outros estarão concentrados junto à fronteira”, indicaram as autoridades.

Desde que a violência se agudizou, os guardas de fronteira do Bangladesh intensificaram as patrulhas e destacaram um maior contingente e navios adicionais para a costa.

Segundo fontes oficiais, foi travada a entrada na fronteira de aproximadamente mil rohingya desde segunda-feira.

Deen Mohammad, um agricultor, figura entre os milhares que conseguiram escapar às patrulhas, entrando sorrateiramente pela cidade fronteiriça de Teknaf há quatro dias, com a sua mulher, dois dos seus filhos e outros três familiares.

“Eles [exército da Birmânia] levaram os meus dois meninos, com 9 e 12 anos, quando entraram na minha aldeia. Eu não sei o que lhes aconteceu”, relatou Deen Mohammad, de 50 anos, à agência AFP.

“Eles levaram as mulheres para os quartos e fecharam-se lá dentro. Até 50 mulheres e meninas da nossa aldeia foram violadas e torturadas”, disse, indicando que as casas da sua aldeia foram incendiadas, fazendo eco de testemunhos idênticos por parte de outros recém-chegados ao Bangladesh.

A Human Rights Watch revelou, esta semana, com base em imagens de satélite, que mais de mil habitações em aldeias da minoria rohingya foram destruídas no estado de Rakhine.

O exército birmanês negou ter posto fogo às casas e até culpou os próprios rohingya.