A presidente da Assembleia Municipal de Nova Iorque lançou esta sexta-feira uma petição para exigir que as autoridades federais paguem o dispositivo especial de segurança criado para proteger a Trump Tower, onde reside o Presidente eleito dos Estados Unidos. De acordo com várias estimativas, a proteção do edifício custa um milhão de dólares por dia.

O Mayor de Nova Iorque, Bill de Blasio, apoia a iniciativa:

Estamos particularmente preocupados com os custos extra e achamos que é uma situação bastante válida recorrer ao governo federal para o maior reembolso possível desses custos” disse o Mayor de Nova Iorque, citado pela Reuters.

A petição lançada por Melissa Mark Viverito já recolheu mais de mil assinaturas. “Consideramos que o fornecimento de serviços de segurança ao Presidente eleito [DonaldTrump] deve ser uma obrigação do Governo federal e, por isso, pensamos que o custo dessa obrigação deve ser assumido pelo Governo federal, não pela cidade de Nova Iorque” lê-se na petição.

Após a eleição, Trump continuou a residir na sua casa de Manhattan e transformou a torre com o seu nome no gabinete central para preparar o novo executivo. Fora do edifício, situado numa das zonas mais transitadas da Quinta Avenida, encontra-se destacado um grande dispositivo de segurança em permanência.

Donald Trump atacou repetidamente os valores que a cidade de Nova Iorque representa, enquanto utilizava os seus recursos sem apreço ou reconhecimento”, defendeu a responsável municipal em comunicado.

Para a dirigente democrata, a recusa do magnata do imobiliário nova-iorquino em mudar as suas atividades para Washington representa uma pressão financeira e logística “sem precedentes” para a cidade.

Embora Trump tencione mudar-se para a Casa Branca no próximo ano, ao assumir o cargo, a 20 de janeiro, espera-se a que a mulher, Melania, e o filho de ambos, Barron, permaneçam pelo menos durante mais alguns meses em Nova Iorque.

Os custos da sua segurança, segundo Melissa Mark Viverito, deverão ser também assumidos pelas autoridades federais. A iniciativa, apoiada por outros vereadores, surge depois de no mês passado o presidente da câmara, Bill de Blasio, ter anunciado que tinha pedido a Washington ajuda para cobrir estas despesas com a segurança. De Blasio mostrou-se, então, confiante em que a cidade receberá, pelo menos, um reembolso parcial, como obtém, por exemplo, pelas medidas especiais de segurança necessárias todos os anos durante a Assembleia-Geral da ONU.