Hip Hop

‘Rapper’ Capicua traça uma diagonal sobre a carreira no concerto desta sexta-feira no CCB

O espetáculo desta sexta-feira, no Grande Auditório do CCB, vai traçar uma diagonal da discografia hip hop e vai contar com a participação vocal de M7 do músico Nerve.

O concerto de Capicua no CCB encerra o ciclo CCBeat deste ano

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O concerto de Capicua, esta sexta-feira à noite, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, vai traçar uma diagonal pela sua discografia hip hop, mas agora com a ‘rapper’ acompanhada, pela primeira vez, de uma banda.

“A ideia foi pegar na minha discografia, desde a primeira ‘mixtape’, escolher as músicas que eu acho que são mais importantes e que resistiram melhor ao tempo, e tocá-las, honrando os ‘beats’ que estiveram na origem, mantendo a identidade hip hop”, contou à agência Lusa.

Em palco, no Grande Auditório do CCB, Capicua terá bateria, guitarra, teclados, e também a habitual participação vocal de M7 e do músico Nerve como convidados; um formato alargado, mais próximo do universo pop rock, e com novos arranjos para músicas antigas.

Com vontade de avançar em 2017 para um novo disco, Capicua quis agora “fechar um ciclo dos últimos anos e pegar nas duas ‘mixtapes’, dois álbuns e um álbum de remisturas, fazer um grande concerto assim, para celebrar o repertório e experimentar este formato”.

Capicua, ou melhor Ana Matos Fernandes, nasceu no Porto nos anos 1980, descobriu o hip hop na adolescência e editou o primeiro registo em nome próprio já no novo século, com “Capicua Goes Preemo Mixtape” (2008).

Passados oito anos, a ‘rapper’ é um dos nomes femininos mais conhecidos do hip hop nacional e orgulha-se de ter conseguido levar rimas e batidas a públicos de diferentes idades e de interesses distintos.

“Eu tenho feito questão de tocar o formato hip hop mais clássico, para dar a conhecer às pessoas e para destruir um certo preconceito que existe ainda em relação ao formato só com DJ e ‘beats’. Quis manter a diversidade de públicos e manter a raiz hip hop e, ao mesmo tempo, fazer uma festa com mais músicos e novos arranjos”, contou.

O concerto no CCB fecha ainda um ano “bastante produtivo” para Capicua, por ter dado vários concertos com o álbum “Sereia louca” (2014) e com o disco de remisturas “Medusa” (2015), por ter feito colaborações diversas e por ter gravado o álbum-livro para crianças “Mão Verde”, com o guitarrista Pedro Geraldes, que apresentará ao vivo em 2017.

O processo criativo em torno do concerto em Lisboa, com novos arranjos e a dinâmica de uma banda, poderá contaminar o trabalho para um novo álbum: “Cada vez que temos uma experiência nova aprendemos sempre uns truques novos. Nem que seja por isso, o próximo álbum terá sempre alguma novidade”.

“Mas gosto sempre, quando estou a escrever, de voltar à génese e de pegar num ‘beat’, a sementinha clássica de um rap, que começa sempre nos ‘beats’, que é matéria prima. Vou voltar sempre a essa casa de partida; esse é sempre o começo do meu processo criativo”, explicou.

O concerto de Capicua no CCB encerra o ciclo CCBeat deste ano, que contou com atuações, entre outros, de Orelha Negra, Benjamim, X-Wife, First Breath After Coma e Minta & The Brook Trout.

O ciclo CCBeat de 2017 arrancará com um concerto de You Can’t Win Charlien Brown, a 19 de janeiro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)