Rádio Observador

Mutilação Genital Feminina

População do sul da Guiné-Bissau anuncia abandono da Mutilação Genital Feminina

1.742

A população de 40 aldeias do sul da Guiné-Bissau decidiu publicamente abandonar a prática de Mutilação Genital Feminina, anunciou esta quarta-feira Fatumata Djau Baldé.

O Parlamento guineense aprovou, em junho de 2011, a lei que criminaliza a prática, mas são raras as autoras da excisão julgadas e condenadas na justiça

MARIO CRUZ/LUSA

A população de 40 aldeias do sul da Guiné-Bissau decidiu publicamente abandonar a prática de Mutilação Genital Feminina (MGF), anunciou esta quarta-feira Fatumata Djau Baldé, presidente do comité para o abandono de práticas nefastas à saúde da mulher e criança.

Fatumata Baldé, antiga ministra dos negócios Estrangeiros guineense, mostrou-se “feliz e convencida” em como “pouco a pouco” as comunidades começam a perceber que a MGF “é uma prática nociva à saúde da mulher e das raparigas e que não tem nada a ver com a religião”.

A presidente do comité para o abandono das práticas nefastas à saúde da mulher e criança (instituição criada pelo Estado guineense) realçou o simbolismo do anúncio feito pela população das 40 aldeias pelo facto de serem localidades com acentuada presença de costumes islâmicos.

A vila de Quebo, principal posto administrativo da zona onde foi declarado o abandono da prática da mutilação genital feminina, é um conhecido centro de aprendizagem do Alcorão (livro religioso dos muçulmanos) e alguns líderes deste centro têm-se vindo a posicionar contra a lei que criminaliza a prática.

Um líder religioso de Quebo, Rachide Djaló, anunciou publicamente que vai liderar uma campanha de recolha de assinaturas para pedir ao Parlamento que anule a lei que proíbe a MGF, que considera “uma determinação islâmica”.

O Parlamento guineense aprovou, em junho de 2011, a lei que criminaliza a prática, mas são raras as autoras da excisão julgadas e condenadas na justiça.

Para Fatumata Baldé, constatar que a população das 40 aldeias da zona de Quebo decidiram voluntariamente largar a prática da excisão significa que “não estão a seguir os líderes religiosos de forma cega”, notou.

Até ao final do ano, a presidente do comité acredita que serão cerca de 100 aldeias do interior da Guiné-Bissau a abandonarem a prática, sobretudo por se terem apropriado das campanhas de sensibilização e de informação.

A presidente do comité para o abandono das práticas nefastas à saúde da mulher e criança diz que a excisão tem vindo a baixar na Guiné-Bissau mas apela para o reforço da vigilância junto da população rural.

Dados da Organização Mundial da Saúde apontam que cerca de 50 por cento das mulheres e raparigas da Guiné-Bissau tenham sido submetidas à prática da excisão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)