Rádio Observador

Brexit

Editora de política da BBC sugere que a rainha Isabel II era a favor do Brexit

A editora de política da BBC disse que uma fonte lhe tinha contou que Isabel II tinha falado a favor da saída do Reino Unido da UE dois meses antes do referendo. Notícia acabou por não sair na BBC.

A 9 de março, o The Sun publicou uma notícia onde dizia que uma "fonte altamente confiável" tinha garantido que a rainha Isabel II era a favor do Brexit

Christopher Furlong-WPA-Pool/Getty Images

Numa entrevista à BBC Radio 4, a editora de política da BBC, Laura Kuenssberg, contou que uma fonte lhe disse antes do referendo de 23 de junho que a rainha Isabel II era a favor da saída do Reino Unido da União Europeia. De acordo com aquela fonte, a monarca disse num almoço privado: “Não vejo porque é que não possamos sair. Qual é o problema?”.

A informação ter-lhe-á sido passada “numa conversa informal” com um dos seus contactos. “Sabes que mais? A qualquer altura isto vai sair e eu estou a contar-te isto agora sem saber se a BBC lhe vai tocar, mas a rainha disse a algumas pessoas num almoço privado que ela acha que devemos sair da UE”, terá dito essa fonte à editora de política da BBC.

“O meu queixo bateu no chão”, disse Laura Kuenssberg enquanto recordava aquele momento. Na mesma entrevista, que foi para o ar na segunda-feira, Laura Kuenssberg contou como tentou, em vão, confirmar aquela informação junto de outras fontes. “Com muita pena minha, só tinha uma fonte. Passei os dias seguintes a tentar provar aquilo. Não consegui encontrar as provas”, admitiu.

Poucos meses depois, o tabloide The Sun acabou por publicar um artigo com uma chamada na primeira página que dizia: “A Rainha apoia o Brexit”.

Primeira página do The Sun de 9 de março de 2016: "A rainha apoia o Brexit"

Primeira página do The Sun de 9 de março de 2016: “A rainha apoia o Brexit”

No artigo publicado a 9 de março (e a 8 de março no site do The Sun), é escrito que a rainha Isabel II teve uma “discussão acesa” com Nick Clegg, nos tempos em que este era vice-primeiro-ministro no primeiro Governo liderado por David Cameron, entre 2010 e 2015. O artigo não oferecia citações diretas da rainha, mas antes relatos feitos por uma “fonte altamente confiável” em discurso indireto do que a rainha terá dito. Nick Clegg disse que não se lembrava daquele episódio.

Além disso, aquele tabloide referia que numa outra ocasião, em que a rainha Isabel II esteve reunida com alguns deputados, a monarca voltou a demonstrar sinais de euroceticismo. Segundo “fonte parlamentar” citada pelo The Sun, a rainha disse: “Eu não entendo a Europa”. “Aquilo foi dito com bastante veneno e emoção, nunca hei de esquecê-lo”, disse essa fonte.

Naquela altura, o The Sun contactou o Palácio de Buckingham, que recusou comentar o conteúdo do artigo. “A Rainha mantém-se politicamente neutra, tal como tem feito ao longo de 63 anos. Nós nunca comentaríamos afirmações ilegítimas feitas por anónimo”, lia-se na reação. Além disso, o artigo motivou uma queixa formal do Palácio de Buckingham à IPSO, o órgão regulador da comunicação social no Reino Unido.

A IPSO deu razão à queixa da casa real britânica, que se queixava de a notícia ser “imprecisa”, e ditou que o The Sun publicasse o seu veredito. O texto dessa decisão pode ser lido no site da IPSO ou no início da notícia do The Sun disponível no seu site.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)