A Fosun subiu a participação no Millennium BCP para 24% após a realização do aumento de capital que a instituição financeira acaba de concretizar. A operação, que vai permitir ao banco captar 1.330 milhões de euros, registou uma procura superior à quantidade de títulos disponíveis para subscrição em 23%, o que impediu os investidores chineses de alcançarem a fasquia dos 30% que tinham traçado como objetivo.

Acionistas de referência da instituição financeira liderada por Nuno Amado acorreram à emissão de ações e mantiveram as posições. Foram os casos da petrolífera angola Sonangol, que tem perto de 15% do capital do BCP, da EDP, que dispõe de 2,1%, e da InterOceânico, holding que reúne investidores angolanos e portugueses e que é detentora de 1,7%.

Antes do aumento de capital, a Fosun tinha em carteira 17% do capital do Millennium. O grupo chinês domina, em Portugal, a seguradora Fidelidade e a Luz Saúde, além de uma fatia superior a 5% do capital da REN.