A Mesquita Central de Lisboa, em São Sebastião, foi vandalizada durante a madrugada da passada sexta-feira e, segundo o jornal PÚBLICO, o xeque David Munir acredita tratar-se de um “ato isolado”, realizado por “um louco”. Foi atirada tinta branca para a fachada azul, junto à inscrição em árabe, da Mesquita de Lisboa.

Pelo que Munir conseguiu apurar, a Mesquita terá sido vandalizada por volta das 23h30 de sexta-feira e só na manhã de sábado, quando os muçulmanos entravam no local para a oração da manhã, é que o alerta terá sido dado. Através das câmaras de vigilância foi possível observar a tinta a ser atirada, mas o responsável pelo ato não aparece nas imagens. Ao PÚBLICO, o imã disse não encontrar explicação para o sucedido, até porque “não houve nenhum evento”.

Este não foi o primeiro ato de vandalismo praticado no edifício da Mesquita de Lisboa. Em 2015, foi pintado na porta principal e numa fachada o número “1143”, ano do Tratado de Zamora. Munir diz que a Mesquita tem recebido muitas visitas de pessoas com curiosidade e que não tem encontrado qualquer tipo de hostilidade em relação à comunidade muçulmana em Portugal.