Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A SpaceX — a empresa de tecnologia aeroespacial de Elon Musk — prepara-se para um teste inédito, que poderá revolucionar a indústria do transporte espacial. Esta quinta-feira, a firma vai lançar, a partir do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, um foguetão que já foi utilizado. É que, apesar de os foguetões serem habitualmente usados apenas uma vez (acabando por ser descartados assim que libertam a nave ou satélite que estão a transportar), a SpaceX tem apostado os últimos anos a estudar formas de trazer os aparelhos de volta à Terra em segurança, prontos a serem reutilizados. Se for possível, a reutilização dos foguetões permitirá uma redução substancial dos custos das viagens espaciais.

O lançamento está agendado para as 18h27 locais (22h27 de Lisboa). O foguetão, um Falcon que voou pela primeira vez em abril do ano passado para transportar carga para a Estação Espacial Internacional, vai dar boleia ao satélite Designated SES-10, um aparelho de 5,3 toneladas construído pela Airbus que servirá para alimentar telecomunicações na América Latina e Central.

No ano passado, depois de lançar a carga em órbita, o foguetão foi conduzido para uma plataforma flutuante no Oceano Atlântico. À aterragem seguiram-se meses intensivos de inspeções ao aparelho, até que o foguetão foi considerado novamente apto para voar. Agora, a parte inferior do foguetão vai voltar ao espaço para colocar o satélite europeu em órbita.

Um teste bem sucedido à reutilização dos foguetões não significa apenas bilhetes mais baratos para potenciais turistas espaciais no futuro. Também as firmas de telecomunicações, que dependem das raras e muito caras viagens espaciais para colocar os seus satélites em órbita, terão muito a beneficiar com a possibilidade. “A possibilidade de reutilização vai levar-nos a preços mais baratos? Espero que sim, mas para nós também significa termos uma rota para o espaço”, diz à BBC um dos responsáveis da SES, Martin Halliwell. “Estamos há seis meses à espera para colocar o SES-10 em órbita, e isso é porque não há alternativas. Se as empresas de transporte espacial se virarem para a reutilização dos foguetões, teremos muito mais flexibilidade”, acrescentou.

O teste desta quinta-feira deverá servir para os engenheiros da SpaceX perceberem as características do Falcon 9 quando sujeito à reutilização. A ideia é que um foguetão possa fazer várias viagens antes de ser retirado do mercado, mas para isso é necessário perceber se o Falcon 9 pode mesmo constituir uma solução comercial eficaz para a realização de viagens espaciais mais frequentes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR