764kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Moradores de Carnide arrancam parquímetros durante a noite

Este artigo tem mais de 5 anos

As máquinas foram ligadas na sexta-feira e, esta quarta à noite, cerca de 200 carnidenses juntaram-se e trataram de as remover. Garantem que não houve vandalismo. E que vão devolver tudo à EMEL.

i

José Goulao/LUSA

José Goulao/LUSA

O apelo à mobilização de “moradores, comerciantes e parceiros do centro histórico de Carnide” em particular e carnidenses em geral foi feito pelo presidente da Junta de Freguesia via Facebook, na passada terça-feira à tarde. Falava em luta e pressupunha ação, mas não havia qualquer referência à retirada dos sete parquímetros instalados pela EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa) durante as semanas anteriores e colocados a funcionar finalmente na sexta-feira passada, dia 31 de Março.

De acordo com as declarações de Fábio Sousa à Lusa, essa terá sido uma decisão tomada no decorrer da reunião de vizinhos, no Grupo Comunitário, na Casa do Coreto – as palavras-chave são “ação popular” e “espontaneidade”. Talvez por isso, explicou também o autarca, para arrancarem do chão os aparelhos os carnidenses utilizaram como ferramentas “as próprias mãos” e “uma enorme vontade de remover uma injustiça”.

Por volta da meia-noite, ao telefone, o presidente da junta disse que já tinham sido retirados quatro dos sete parquímetros da zona histórica e garantiu que nenhum deles tinha sido danificado ou vandalizado no processo – o protesto dos cidadãos, ultrajados por não terem sido consultados antes da colocação dos equipamentos de estacionamento pago, foi ordeiro e pacífico: “são pessoas de bem” que apenas querem fazer valer os seus direitos nas decisões para a zona onde habitam, assegurou o autarca.

Confrontado sobre se esta ação poderia representar um crime de destruição de propriedade pública, Fábio Sousa disse entender que não, uma vez que a intenção dos moradores é “devolvê-los a quem os impôs”, sem questionar a junta ou os moradores. “Retirada não é vandalização!”, ouvia-se pelo telefone uma moradora a acrescentar, durante a conversa da Lusa com o presidente da junta.

À TSF, já no final dos trabalhos de remoção (todos os sete parquímetros acabaram mesmo por ser arrancados), Fábio Sousa garantiu que durante o dia de hoje as máquinas serão devolvidas, intactas, à Câmara Municipal de Lisboa: “Os parquímetros foram retirados e a junta e a população recolheram-nos, para não serem vandalizados. Estão recolhidos, vão ficar à guarda da Junta de Freguesia, a Polícia esteve no local já, e nós assumimos a guarda na íntegra destes equipamentos e serão entregues amanhã pela população de Carnide, às 18h00, na Praça do Município”.

A essa hora, o autarca diz que espera ser recebido por “algum responsável político” (Fernando Medina de preferência, ressalva também) que possa receber os equipamentos e assinar o “termo de entrega”: “Serão entregues para a Câmara os utilizar onde entender. Agora, em Carnide, desta forma, não!”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.