Moradores de Carnide arrancam parquímetros durante a noite

As máquinas foram ligadas na sexta-feira e, esta quarta à noite, cerca de 200 carnidenses juntaram-se e trataram de as remover. Garantem que não houve vandalismo. E que vão devolver tudo à EMEL.

i

José Goulao/LUSA

José Goulao/LUSA

O apelo à mobilização de “moradores, comerciantes e parceiros do centro histórico de Carnide” em particular e carnidenses em geral foi feito pelo presidente da Junta de Freguesia via Facebook, na passada terça-feira à tarde. Falava em luta e pressupunha ação, mas não havia qualquer referência à retirada dos sete parquímetros instalados pela EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa) durante as semanas anteriores e colocados a funcionar finalmente na sexta-feira passada, dia 31 de Março.

De acordo com as declarações de Fábio Sousa à Lusa, essa terá sido uma decisão tomada no decorrer da reunião de vizinhos, no Grupo Comunitário, na Casa do Coreto – as palavras-chave são “ação popular” e “espontaneidade”. Talvez por isso, explicou também o autarca, para arrancarem do chão os aparelhos os carnidenses utilizaram como ferramentas “as próprias mãos” e “uma enorme vontade de remover uma injustiça”.

Por volta da meia-noite, ao telefone, o presidente da junta disse que já tinham sido retirados quatro dos sete parquímetros da zona histórica e garantiu que nenhum deles tinha sido danificado ou vandalizado no processo – o protesto dos cidadãos, ultrajados por não terem sido consultados antes da colocação dos equipamentos de estacionamento pago, foi ordeiro e pacífico: “são pessoas de bem” que apenas querem fazer valer os seus direitos nas decisões para a zona onde habitam, assegurou o autarca.

Confrontado sobre se esta ação poderia representar um crime de destruição de propriedade pública, Fábio Sousa disse entender que não, uma vez que a intenção dos moradores é “devolvê-los a quem os impôs”, sem questionar a junta ou os moradores. “Retirada não é vandalização!”, ouvia-se pelo telefone uma moradora a acrescentar, durante a conversa da Lusa com o presidente da junta.

À TSF, já no final dos trabalhos de remoção (todos os sete parquímetros acabaram mesmo por ser arrancados), Fábio Sousa garantiu que durante o dia de hoje as máquinas serão devolvidas, intactas, à Câmara Municipal de Lisboa: “Os parquímetros foram retirados e a junta e a população recolheram-nos, para não serem vandalizados. Estão recolhidos, vão ficar à guarda da Junta de Freguesia, a Polícia esteve no local já, e nós assumimos a guarda na íntegra destes equipamentos e serão entregues amanhã pela população de Carnide, às 18h00, na Praça do Município”.

A essa hora, o autarca diz que espera ser recebido por “algum responsável político” (Fernando Medina de preferência, ressalva também) que possa receber os equipamentos e assinar o “termo de entrega”: “Serão entregues para a Câmara os utilizar onde entender. Agora, em Carnide, desta forma, não!”

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.