Na esperança de oferecer o melhor de vários mundos, a ASUS trouxe para o mercado o ZenBook 3, a continuação da linha de portáteis topo de gama que se apresenta, cada vez mais, com um design elegante, com uma boa construção e um interior poderoso como se espera de um computador topo de gama.

Mais pequeno e fino que a grande maioria dos portáteis existentes no mercado, tudo neste portátil foi pensado para encaixar perfeitamente dentro de um corpo compacto e leve. O azul com rebordos em dourado salta à vista mal se pousa o computador junto a alguém, mas está também disponível em cinzento e rosa.

Características gerais

A marca não poupou esforços no que toca às características desta pequena grande máquina. O processador é Intel Core i7, dual core, de 2,7 GHz e com um boost que atinge os 3,5 GHz, acompanhado por uma memória RAM de 16GB e um disco SSD de 512 GB.

Para completar temos um ecrã LED Full HD de 12,5 polegadas que, na nossa opinião, tem uma qualidade de imagem muito boa. As cores são vibrantes e não tem qualquer problema em lidar com a luz solar direta. A placa gráfica é uma Intel HD Graphics 620.

O design é muito minimalista e simples. A linha dourada em torno do equipamento proporciona um toque de elegância extra

O som emitido por este ultrabook é em parceria com a Harman Kardon e é distribuído através de quatro altifalantes. O teclado é retroiluminado e ocupa o corpo do equipamento de um lado ao outro, deixando o equipamento quase sem bordas laterais. O trackpad é bastante suave e reconhece alguns gestos definidos pelo utilizador assim como a a escrita manual.

A bateria é de 40Wh e, segundo a marca, aguenta até nove horas de utilização, carregando 60% em apenas 49 minutos através da única porta existente – USB-C. Tudo isto está colocado num corpo metálico extremamente pequeno e fino de apenas 11.9 milímetros de espessura que pesa 950 gramas.

O preço do ZenBook 3 ronda os 1600 euros.

Fácil de transportar e leve como uma pena

Durante o período de teste o ZenBook não esteve parado um segundo (sem contar com as noites) que fosse. Se não era a trabalhar era a jogar, se não era a jogar era a ver filmes e séries. O ecrã torna qualquer tipo de atividade multimédia em algo bastante agradável á vista. Tem boas cores, bons contrastes e aproveita muito bem o espaço disponível num corpo tão pequeno.

A rapidez é notável, demorando apenas alguns segundos a estar com tudo carregado e pronto a utilizar. O leitor de impressões digitais é (também) bastante rápido e não teve nenhum problema em identificar o proprietário temporário do computador. Em comparação aos portáteis mais comuns, transportar o ZenBook é uma sensação muito agradável, chegando a deixar de se sentir que estamos a transportar um computador de tão leve que é.

O leitor de impressões digitais rouba algum espaço do trackpad mas, sendo tão pequeno, consegue ter um precisão incrível e sem falhas

O teclado foi o ponto que mais estranhámos ao início. Devido ao tamanho tão reduzido do equipamento, claro que o teclado não fica grande relevo, parecendo quase uma superfície completamente lisa. Ao escrever, de início, muitas teclas vão escapar mas nada que o hábito não resolva. Ao fim de duas semanas estávamos a escrever quase sem problemas, mas não foi a sensação de teclado mais agradável que já nos passou pelas mãos.

A bateria tem uma autonomia que, como sempre, varia consoante a utilização. Tanto conseguimos ter um dia inteiro de trabalho sem ser necessário recorrer ao carregador como precisámos dele ao fim de umas cinco horas. A grande variação nestes dois cenários estava apenas ligada à luz envolvente que, sendo mais forte, obrigava a aumentar o brilho do ecrã e, consequentemente, a reduzir a autonomia.

Bem vindo a uma vida de adaptadores

É perfeitamente compreensível que se tenha de prescindir de algumas coisas quando se quer reduzir o tamanho e a espessura de um equipamento, mas o caminho tinha de ser reduzir tudo a uma única porta USB-C?

Tirando a entrada de auriculares normal (jack 3.5) a outra entrada que existe é uma porta USB-C que terá de servir para tudo. Isto significa que será necessário andar sempre com um adaptador atrás e que será quase impossível carregar o portátil enquanto se utiliza a porta para ligar outros periféricos.

A porta USB-C, situada do lado direito do computador, é a única entrada disponível para ligar qualquer periférico

A ASUS pensou no assunto e desenvolveu um adaptador que acrescenta uma porta USB-C, uma USB 3.0, uma HDMI, uma VGA, uma LAN e ainda um leitor de cartões SD. Apesar disso, não é confortável ter de estar dependente de um adaptador, apesar de que esta começa a ser uma tendência que, aos poucos, várias marcas começam a adotar a fim de reduzir o tamanho e a espessura dos equipamentos.

Jogos, vídeos e música: um pequeno centro multimédia

Seja qual for o propósito, este é um portátil que está à altura de todas as atividades. Claro que não é o computador perfeito para jogar, nem perto nem longe, mas consegue correr vários títulos sem problemas e, quando colocado numa base adequada, aquece muito pouco.

Num tamanho reduzido é possível encontrar quatro altifalantes, um ecrã muito bom e um processador capaz de aguentar com jogos mais exigentes

Para ver vídeos, filmes e séries é bastante confortável. Como tem um tamanho pequeno acaba por ser semelhante a ter um tablet ao lado mas com um ecrã acima da média dos tablets e sem as capacidades touch.

O som é das experiências mais agradáveis que podia existir num computador de pequenas dimensões graças à parceria com a Harman Kardon. Além de alto é, também, bastante nítido e com um bom nível de graves. Estão presentes quatro altifalantes, capazes de tornar a experiência multimédia em algo muito imersivo.

Resumindo e concluindo

Sem dúvida que estamos perante um computador caro, e este pode ser um fator complicado para muitos utilizadores, mas também estamos com um equipamento no qual a marca não olhou a meios para implementar tudo o que tinham de melhor.

O ecrã é surpreendentemente bom e agradável, mesmo em dias de sol. Claro que o ambiente em que utilizar o computador vai influência a autonomia do mesmo que, durante os testes, aguentou-se bem mas não garante sempre as nove horas prometidas pela marca.

O ZenBook 3 vem com o Windows 10 instalado de origem e fica pronto a utilizar numa questão de segundos

A experiência multimédia é muito boa conseguindo aguentar facilmente com alguns jogos mas, recordamos, este não é um computador pensado para jogadores mais intensivos. O som reproduzido em quatro colunas torna todas as experiências mais imersivas.

O teclado é algo que vai precisar de alguma utilização até que o utilizador esteja habituado à sensação que transmite e à pressão extra necessária para escrever. Depois desse período inicial passa a ser algo natural.