Rádio Observador

FC Porto

Já está: Sérgio Conceição oficializado como novo treinador do FC Porto

FC Porto anunciou acordo com Sérgio Conceição. Técnico respondeu no Twitter e disse ser um orgulho. Na apresentação, recordou os pais de forma emocionada. Pinto da Costa explicou processo de escolha.

Sérgio terá a quinta experiência como técnico no país, depois de Olhanense, Académica, Sp. Braga e V. Guimarães

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

Ele era a fotografia a sair para almoço, ele era a imagem do cumprimento com Pinto da Costa. Há quase uma semana que, oficiosamente, Sérgio Conceição é treinador do FC Porto. A partir desta quinta-feira, 8 de junho, é oficialmente treinador do FC Porto para as próximas duas temporadas, confirmado por um comunicado emitido pelos dragões esta tarde.

“Obrigado FC Porto, é um orgulho voltar a esta casa”, disse na primeira frase como treinador dos dragões. E, curiosamente, fez a declaração numa resposta no Twitter ao anúncio dos azuis e brancos.

Numa cerimónia transmitida em direto no Facebook e conduzida por Júlio Magalhães, Sérgio Conceição foi apresentado no espaço que dá acesso aos balneários (que faz parte do Tour ao Dragão) e onde estão as imagens das grandes conquistas dos dragões a nível nacional e internacional.

“É uma missão muito fácil porque é a apresentação de uma figura e uma personalidade do FC Porto que todos conhecem. Foi um exemplo de amor e dedicação ao clube. Se não fosse assim, não estaria aqui. Sérgio, todos temos uma confiança absoluta no teu trabalho e sabemos que o teu coração é azul branco. Sê bem-vindo. Que sejas feliz como mereces. Sei que o teu sonho era este. Não tens cadeira de sonho porque estás de pé mas tens um estádio de sonho onde sempre quiseste entrar como treinador“, disse Pinto da Costa.

Se calhar era mais difícil fazer o que o Sérgio fez no Nantes, que estava abaixo da linha de água e acabou lá em cima, do que o Zidane fez no Real Madrid. Não tinha dúvidas, ainda antes de ir para França achava que seria treinador do FC Porto a breve prazo. O tempo que demorou a dizer sim? Foi o tempo que se diz sim… Marco Silva? Compreendo que às vezes seja necessário inventar. Houve comentadores que nem são afetos ao clube que estavam muito preocupados por não termos treinador. Quando o Nuno, por sugestão de Jorge Mendes, se propôs a rescindir para abraçar um projeto em Inglaterra, tinha três ou quatro nomes de treinadores onde não constava o Sérgio porque pensava que, ao assinar até 2020, pensava que era impossível. Fiz vários contactos e, a 27 de maio, no dia em que se comemorou os 30 anos da vitória de Viena, almocei com Luciano d’Onofrio no restaurante Lusíadas. Quando lhe transmiti que o que gostaria para treinador do FC Porto, disse-me que tinha jantado com ele no Rei dos Leitões. Ele gostava imenso de vir para o FC Porto e até tem problemas pessoais. Reunimos, convidei, partiu para Paris para encetar o processo de desvinculação com o Nantes e terminaram os contactos”, acrescentou o líder dos dragões.

“Jogadores que pediu? Há dois que não podem vir, que é o Messi e o Ronaldo. Escolhi o Sérgio porque, com os jogadores que tivermos, vamos fazer uma equipa competitiva”, concluiu Pinto da Costa.

“Quero agradecer a confiança em mim, na minha equipa técnica, agradecer a Deus e desculpem a minha emoção por falar dos meus pais, que estarão felizes onde estão e a olhar com muito orgulho pelo trajeto. Depois de três meses difíceis a tentar que fosse jogar para o FC Porto, deixou-me aqui e assinei contrato. Acabei por perdê-lo no dia a seguir. As pessoas podem achar que o FC Porto foi buscar um ex-jogador de raça, determinado, mas sei que tenho qualidade no meu trabalho. Vamos ser exigentes, rigorosos e disciplinados no dia a dia para no fim dar a toda a massa adepta a alegria dos títulos. Foi por amor ao clube que vim e estou convencido que em maio vou conseguir estar feliz e deixar os portistas felizes. Os meus pais vão ficar ainda mais felizes por ganhar títulos. E para os que não acreditam, vou provar que estamos aqui para trabalhar da melhor forma e com resultados”, referiu Sérgio Conceição.

Não venho para aqui aprender, venho ensinar. Estamos preparadíssimos para este desafio”, salientou. “Gosto da pressão, faz-me crescer, deixa-me desconfiado e obriga-me ir à procura de soluções. Tenho o know how de saber o que é o mundo do futebol. Os jogadores estão extremamente pressionados por mim, no trabalho. Sei que não é fácil aos jogadores trabalharem comigo, mas no final da época consegui potenciar, cresceram. Isso é o mais importante. Temos de começar a falar do FC Porto de hoje. Vai começar uma nova era com um treinador que não é melhor nem pior, é diferente. O passado não interessa e deixou-me triste, como portista, porque não ganhámos“, acrescentou.

“Partindo do princípio que a formação é importante para os clubes. Antigamente era mais difícil ter uma oportunidade nos seniores. A formação está ligada ao conhecimento dos valores do FC Porto e já fiz o trabalho de casa dos jogadores promissores que, num futuro próximo, podem ser opção. Taça de Portugal? Perguntar isso é o mínimo, mas a vontade é conquistar o Campeonato, que é o principal título. Ganhar faz parte da ambição do clube”, concluiu o sucessor de Nuno Espírito Santo no banco dos azuis e brancos.

O que andou Sérgio Conceição a fazer na última semana?

Enquanto a desvinculação com o Nantes era resolvida (e ainda agora os franceses estão magoados com a situação, como se percebeu na mensagem subliminar nas redes sociais a aconselhar cuidado à Juventus depois do anúncio da renovação de Allegri até 2020, duração do vínculo que os gauleses tinham com Sérgio Conceição), o treinador colocou mãos à obra e começou a desbravar terreno nesta nova aventura no Dragão.

Desde que firmou o pré-acordo com o conjunto azul e branco, Sérgio Conceição tem estado a trabalhar diretamente com Pinto da Costa e Luís Gonçalves, diretor do futebol, para arrumar algumas pastas fulcrais nesta fase do ano: a pré-temporada, os encontros particulares até ao início da Primeira Liga, as dispensas e as eventuais contratações foram matérias abordadas nos últimos dias pelos responsáveis dos dragões.

Para já, uma das prioridades a nível de plantel parece ser a manutenção da estrutura base do setor recuado, que foi até à última jornada a melhor defesa da Primeira Liga: Felipe, Marcano e Danilo. Ainda assim, e fruto da necessidade de venda de ativos admitida ainda ontem por Fernando Gomes, administrador da SAD azul e branca, é possível que outros elementos como André Silva, Brahimi ou Herrera possam ser vendidos no Verão. Por esclarecer está ainda a continuidade ou não de Iker Casillas, guarda-redes espanhol que veio do Real Madrid há duas temporadas.

Em paralelo, o treinador, que antes passou por Olhanense, Académica, Sp. Braga e V. Guimarães como treinador principal, após um início como adjunto no Standard Liège, teve oportunidade de conhecer mais a fundo a atual realidade do FC Porto, bem diferente do que era quando saiu do clube como jogador pela última vez, em 2004.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)