Rádio Observador

FC Porto

FC Porto. O que se passou durante as duas semanas que levaram à coroação de Sérgio como técnico

Sérgio Conceição acerta rescisão com o Nantes e será apresentado entre hoje e amanhã como novo treinador dos dragões, num processo longo, com vários nomes mas que chegou agora a bom Porto.

Sérgio Conceição teve uma mão na Taça de Portugal de 2015, no Jamor, mas o Sp. Braga perdeu nos penáltis com o Sporting

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

Há qualquer coisa nos elementos que Humberto Coelho levou ao Campeonato da Europa de 2000: um ainda joga (Quim, 41 anos); mais de metade são treinadores, principais ou de guarda-redes (Jorge Costa, Rui Jorge, Paulo Sousa, Sá Pinto, Sérgio Conceição, Pedro Espinha, Abel Xavier, Costinha, Beto, Paulo Bento, Capucho e Secretário); os outros, à exceção de Vítor Baía, Fernando Couto e Figo, estão ligados diretamente ao futebol, seja como dirigentes (João Vieira Pinto, Rui Costa, Pauleta e Nuno Gomes), comentadores (Vidigal) ou empresários (Dimas).

Gorada a hipótese Marco Silva, que assinou pelo Watford, falava-se de dois elementos que estiveram nessa prova há 17 anos, em que Portugal caiu apenas nas meias-finais frente à campeã França no prolongamento, para o FC Porto: Sérgio Conceição e Paulo Sousa. Mas o antigo jogador dos dragões foi sempre a prioridade, num processo longo, que foi sendo tratado com o sigilo possível e que culmina agora com o desfecho “esperado”.

O que se passou desde a saída de Nuno Espírito Santo

A saída de Nuno Espírito Santo, sobretudo depois da derrota por 3-1 com o Moreirense, era uma inevitabilidade. E a rescisão foi célere, também porque na órbita do antigo treinador dos dragões estava já a possibilidade de agarrar o projeto do Wolverhampton, equipa do Championship com fortes ligações a Jorge Mendes. Aliás, foi mais rápido Nuno a assinar pelos ingleses do que os dragões a fecharem o seu sucessor.

Na mesa existiam três rumos possíveis para Pinto da Costa, líder do FC Porto e a pessoa que, no final das contas, assume a decisão do novo técnico. 1) opção por um treinador português que estivesse na Primeira Liga, conhecesse bem o Campeonato português e tivesse alguma experiência, o que remetia para Jorge Jesus e Pedro Martins; 2) escolha de um técnico português que conhecesse também a realidade nacional mas estivesse agora no estrangeiro, como Marco Silva, Paulo Sousa, Carlos Carvalhal ou Sérgio Conceição; 3) seleção de um nome estrangeiro, com currículo e uma mente “não formatada” à realidade portuguesa, como Eduardo Berizzo, Claudio Ranieri, Mircea Lucescu ou Luciano Spalletti.

Sabendo-se que Jorge Jesus ia permanecer no Sporting e tinha uma cláusula de 16 milhões de euros, esta espécie de amor antigo caiu. Tal como Ranieri, que coloca a prioridade noutros campeonatos e projetos. Marco Silva era um nome que agradava à estrutura azul e branca, que até estava livre do acordo com o Hull City e da cláusula anti-rivais que tinha assinado quando saiu do Sporting (termina a 30 de junho deste ano), mas a forma como começaram a sair detalhes na imprensa sobre a duração do contrato e a exigência de garantias arrefeceu o interesse. Quando foi anunciado o vínculo com o Watford, o antigo técnico de Estoril, Sporting e Olympiacos não era prioridade. E Sérgio Conceição estava na frente.

Os dias passavam e o FC Porto foi vivendo à sombra do que ia acontecendo no mundo do futebol. Ele era a possibilidade de Jesus ir para o PSG (que algumas partes ligadas a este processo também iam sabendo por conversas cruzadas… e negando), ele era a transferência milionária de Bernardo Silva, ele era a final da Taça de Portugal. No meio de tudo isto, Sérgio Conceição teve uma última reunião com os responsáveis do Nantes e veio de férias para Portugal, tendo aproveitado para jantar com o empresário e amigo Luciano d’Onofrio e estar com outros amigos ligados ao futebol. Estávamos na última semana de maio. Pouco depois, foi contactado. Hoje, dia 6 de junho, o Nantes anunciou a saída e confirmou a ida para o Dragão. Num timing que também não foi o que se esperava inicialmente.

“Apesar de toda a confiança e apoio que o clube e os seus adeptos manifestaram para com o treinador, e não obstante o contrato até 2020, Sérgio Conceição fez sentir à direção a sua vontade irreversível de se juntar ao FC Porto no imediato. O Nantes não teve outra escolha que não a de aceitar a decisão inesperada, apesar do prejuízo considerável que ela causa“, explicou o clube francês em comunicado no site oficial.

“Merci”. E uma sentida carta de despedida ao Nantes

Pouco depois do anúncio do Nantes, o próprio Sérgio Conceição quebrou o longo silêncio sobre o assunto, deixando uma carta de despedida aos adeptos do clube francês. “Merci” dizia a sua conta oficial do Twitter como introdução para a missiva de dez parágrafos que selou a saída para o FC Porto após seis meses na Ligue 1.

“O meu silêncio ao longo dos últimos dias explica-se, principalmente, pelo facto de estar em férias, junto da minha família. À parte da magnífica experiência que tive convosco nos últimos meses, também tive de gerir a minha ausência com aqueles que, neste momento, necessitam de mim”, escreveu, dirigindo-se diretamente aos dirigentes e adeptos do emblema gaulês. Depois acrescenta os motivos pessoais que o levaram a abandonar França e que diz ter discutido com o presidente do Nantes. “Lamento a novela que se gerou em redor do meu futuro. Antes de tudo isso, a minha situação pessoal fez-me considerar deixar o futebol por uns tempos, uma possibilidade que foi discutida com o meu amigo Waldemar Kita”, escreveu, acrescentando que estará para sempre “grato pela vossa confiança e pelo apoio. Aquilo que dei ao Nantes deixa-me de consciência tranquila”.

“Surgiu a oportunidade de de continuar a trabalhar e a viver o futebol, enquanto posso tomar conta da minha principal prioridade, a mulher que me acompanha desde os 18 anos. Por uma questão de saúde, mais do que nunca terei de estar presente todos os dias”, rematou, a propósito das razões pessoais que já antes tinha invocado.

As três razões fundamentais para a escolha de Sérgio Conceição

Havia uma forte barreira na intenção de assegurar a contratação de Sérgio Conceição: a cláusula de seis milhões de euros que existia no contrato com o Nantes. Mas quando pessoas próximas do treinador assumiram que iriam tentar baixar esse montante, nomeadamente a Doyen, que trabalha com o antigo internacional, o cenário começou a ficar um pouco mais aliviado. Os próprios dirigentes do clube francês percebiam o que estava prestes a acontecer: na semana passada, segunda-feira diziam que era impossível sair, apesar do interesse do FC Porto; na terça-feira queixavam-se que o técnico estaria a forçar a saída do clube; a partir de quarta, já se começaram a resignar. Ou seja, há quase uma semana que estavam preparados para este cenário.

O treinador já tinha abordado questões pessoais que podiam levar à saída e consequente regresso a Portugal, ainda antes da rescisão de Nuno Espírito Santo. Os responsáveis do Nantes, sobretudo o presidente, mantiveram o forte ataque através da imprensa local. Houve outra razão para isso: o líder do clube gaulês está numa situação frágil perante os sócios e adeptos, pelo que este seria um golpe duro até em termos internos. No entanto, Sérgio Conceição saiu mesmo e tudo ficou fechado numa reunião realizada numa unidade hoteleira do Porto na passada sexta-feira. O salário nunca foi problema.

Sérgio Conceição queria o FC Porto, o FC Porto queria Sérgio Conceição. Por três razões: 1) apesar de não ter ainda títulos como treinador, tem feito bons trabalhos por onde passa e destaca-se pela capacidade que tem para unir os grupos de trabalho em torno do objetivo; 2) está familiarizado com o Campeonato português, aposta nos jogadores formados no clube e conhece bem a estrutura azul e branca, sobretudo o que falta em relação aos tempos em que ganhava títulos atrás de títulos pelos dragões; 3) é um treinador com uma personalidade e mentalidade muito próximas da linha comunicacional que o FC Porto adotou ao longo da temporada.

Assim, e nos últimos dias, Pinto da Costa, Luís Gonçalves e Sérgio Conceição, mesmo sem a oficialização do acordo, foram começando a agarrar em algumas pastas mais urgentes: a definição da pré-temporada, os jogos particulares até à estreia oficial, os jogadores dispensados que terão de encontrar colocação e os possíveis reforços. Era uma inevitabilidade que estava presa apenas por detalhes.

O percurso como treinador ainda sem títulos…

Aos 42 anos, Sérgio Conceição leva já cinco projetos na carreira como treinador principal, depois de ter sido adjunto do Standard Liège em 2010/11. Daí seguiu para o Olhanense, onde esteve em 2012 e 2013, até rumar à Académica. A boa temporada em Coimbra em 2013/14 (oitavo lugar, depois da 11.ª posição na época anterior) valeu-lhe o bilhete para Braga, terminando a Primeira Liga no quarto lugar e perdendo de forma inglória a final da Taça de Portugal para o Sporting no desempate por grandes penalidades.

Começando a temporada de 2015/16 sem clube, assinou pelo V. Guimarães no final de setembro, substituindo Armando Evangelista, que tinha subido da equipa B quando Rui Vitória rumou ao Benfica. Com a equipa em situação complicada, conseguiu encetar uma boa recuperação e acabou no 10.º lugar.

Acabou por não ficar na Cidade Berço por opção própria, aguardou por um novo projeto e teve a primeira experiência no estrangeiro ao serviço do Nantes. Que correu bem: entrando em dezembro para o lugar de René Girard quando o conjunto ocupava o 19.º e penúltimo posto da Ligue 1, encetou uma grande recuperação na tabela e acabou na sétima posição. A prestação valeu-lhe uma renovação de contrato até 2020… que ficou no papel.

… após 12 troféus conseguidos como jogador

Formado na Académica, Sérgio Conceição assinou o primeiro contrato pelo FC Porto como júnior, em 1991. Após acabar a formação, foi cedido a Penafiel, Leça e Felgueiras (onde trabalhou com Jorge Jesus) antes de regressar às Antas para dois anos de sucesso. Em 1998, é vendido à Lazio.

Os cinco anos e meio que passou em Itália como jogador, entre Lazio, Parma e Inter antes de voltar a meio da época de 2003/04 ao FC Porto, acabaram por despertar o gosto pelo treino. Jogou ainda três anos no Standard Liège e outros tantos no PAOK Salónica (pelo meio teve uma curta aventura nos Emirados, pelo Qadsia) antes de assumir a carreira de técnico, como adjunto na Bélgica. Antes, já depois de ter acabado a carreira, teve uma curta experiência como diretor desportivo do PAOK, onde tinha pendurado as botas.

Venceu uma Taça das Taças e uma Supertaça Europeia pela Lazio, além de três Campeonatos, uma Taça de Portugal e uma Supertaça pelo FC Porto e um Campeonato, duas Taças de Itália e uma Supertaça transalpina pela Lazio. Foi ainda vencedor da Segunda Liga portuguesa, em 1994/95, pelo Leça.

Na Seleção principal, esteve presente no Campeonato da Europa de 2000, onde fez o célebre hat-trick frente à Alemanha na fase de grupos (3-0), e no Mundial de 2002, depois do Europeu Sub-21 de 1996.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)