Tribunal de Contas

Rigor e transparência das contas do Estado comprometidas

123

O Tribunal de Contas considera que o rigor e a transparência das contas do Estado continuam comprometidos, subsistindo situações de desrespeito pelos princípios orçamentais.

De acordo com o relatório, a receita consolidada da administração central ascende a 56,361 mil milhões de euros

MARIO CRUZ/LUSA

O Tribunal de Contas (TdC) considera que o rigor e a transparência das contas do Estado continuam comprometidos. De acordo com o TdC, mantêm-se as situações de desrespeito pelos princípios orçamentais, como aliás justifica o Relatório de Acompanhamento da Execução Orçamental da Administração Central em 2016, divulgado esta segunda-feira.

Pelas razões que levaram à implementação do e-fatura, em poucos meses, é mais do que oportuno que o Estado, o Ministério das Finanças e a Autoridade Tributária e Aduaneira também apliquem, como administradores de receitas públicas, os princípios e procedimentos que tornaram obrigatórios aos contribuintes por os reputarem essenciais para a eficácia do controlo dessas receitas.”

O TdC considera assim que “o rigor e a transparência das Contas Públicas continuam comprometidos uma vez que as situações de desrespeito dos princípios orçamentais, incumprimento de disposições legais e deficiências nos procedimentos aplicados e também nos sistemas de controlo continuam a manifestar-se”.

O Tribunal tem reiterado recomendações, as mais recentes no Parecer sobre a CGE [Conta Geral do Estado] de 2015, às quais acrescenta certificar o universo das entidades orçamentais e utilizar a mesma informação de base nas SEO [Síntese da Execução Orçamental] e CP [Conta Provisória].”

O TdC concluiu que a SEO não abrange duas entidades, cinco não divulgaram informação e nove não a divulgaram sobre todo o ano. “Tais omissões desrespeitam os princípios da unidade e da universalidade”, refere.

De acordo com o relatório, a receita consolidada da administração central ascende a 56,361 mil milhões de euros (56,889 mil milhões de euros considerando receitas provenientes de certos ativos financeiros), representando as receitas fiscais 73% da receita efetiva (17,8 mil milhões de impostos diretos e 23,3 mil milhões de impostos indiretos).

A contribuição para o audiovisual subsiste como exemplo da contabilização deficiente de receitas fiscais desrespeitando, aliás, disposições da lei orçamental para 2016, sinaliza o TdC.

Por outro lado, a despesa consolidada atinge os 62,8 mil milhões de euros (64,1 mil milhões considerando despesas em certos ativos e passivos financeiros).

Destacam-se as transferências para outros sectores (25,3 mil milhões de euros, dos quais 9,5 mil milhões da Caixa Geral de Aposentações em pensões e abonos) e para a Segurança Social (8,7 mil milhões de euros), as despesas com pessoal (15,8 mil milhões), a aquisição de bens e serviços correntes (8,6 mil milhões de euros), os juros e outros encargos (8 mil milhões) e os encargos com PPP rodoviárias (1,7 mil milhões de euros) incluídos na aquisição de bens de capital.

O consequente saldo global é negativo em 6,4 mil milhões, o desequilíbrio no saldo corrente é de quatro mil milhões de euros e no de capital é de 2,4 mil milhões de euros.

Considerando o impacto das operações com ativos e passivos financeiros considerados (de 828 milhões de euros negativos) o saldo passa para 7,237 mil milhões de euros negativos, refere.

“O incumprimento da lei que obriga ao registo integral da movimentação de fundos públicos em execução do OE limita o exame da execução orçamental reportada nas SEO e na CGE uma vez que nem a contabilidade orçamental nem a da tesouraria registam a totalidade dos fluxos financeiros dos organismos da administração central (como deveriam) cujo valor permanece, nessa sede, desconhecido”, adverte.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Proteção Civil

Os inconsequentes

Helena Cristina Coelho

Não sei o que é pior: se ver as falhas da Proteção Civil expostas numa auditoria do Tribunal de Contas, se descobrir que as recomendações feitas há dois anos foram na maioria ignoradas ou adiadas.

Tribunal Constitucional

Ainda há juízes no Luxemburgo!

Francisco Pereira Coutinho e Teresa Violante

Os cortes de subsídios, ao contrário do que refere o Tribunal Constitucional no acórdão de 5 de julho de 2012, estavam previstos no memorando de dezembro de 2011. A discussão continua em aberto.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site