Rádio Observador

Livros

Três nomes obrigatórios

Nuno Costa Santos escreve sobre três autores portugueses, nem sempre romancistas, só por vezes jornalistas, com formatos, histórias e personagens que se confundem com a realidade.

João Tordo

ANDRÉ MARQUES / OBSERVADOR

Autor
  • Nuno Costa Santos

Hoje Estarás Comigo no Paraíso
Bruno Vieira Amaral
(Quetzal)

As Primeiras Coisas era um conjunto de histórias das pessoas-personagens de um bairro da margem sul do Tejo, apresentando-se como romance, mas com uma estrutura similar a um livro de contos, ligados no início e no fim do livro. Hoje Estarás Comigo no Paraíso é revelador de um fôlego maior, com um sólido fio narrativo, assente numa investigação pessoal sobre o assassinato de um primo, João Jorge, no princípio dos anos 80. Escrita sobre uma experiência autobiográfica, recriada e ficcionada, sem a necessidade de uma terceira pessoa, fazendo uso da imprensa, de processos judiciais e de testemunhos próximos. E um gesto literário corajoso, onde cabe a escrita sobre a relação com um pai ausente, que trata o autor como se este fosse um aristocrata.

Viagem ao Sonho Americano
Isabel Lucas
(Companhia das Letras)

Um ensaio sobre literatura e paisagem. Ou um périplo pelos EUA à boleia de alguma da sua melhor literatura, escrito por uma jornalista e crítica que, no conjunto de textos que publicou ao longo de um ano no jornal Público, também se revela escritora. Uma das qualidades maiores do livro, além da escrita – sóbria, certeira, elegante — é a forma como faz o retrato das várias Américas, através das várias vozes que nela habitam e habitaram. De taxistas somalis a gente da escrita, como Herman Melville, John Steinbeck, Philip Roth, Gore Vidal, David Foster Wallace e Richard Ford. Há uma curiosidade a atravessar cada um dos roteiros, cada um dos encontros, cada uma das reflexões e perguntas – que passam muitas vezes pelo momento político e os seus protagonistas. Escreveu, no texto inicial: “O espanto nunca me deixou, e ele faz parte da minha identidade enquanto pessoa que caminha pela América”.

O Deslumbre de Cecília Fluss
João Tordo
(Companhia das Letras)

Último livro de uma trilogia e oitavo livro do escritor. Nele sente-se uma experiência grande na escrita de longas ficções, capaz de fazer oscilar, de um modo fluído e orgânico, digressões psicológicas credíveis e diálogos convincentes. O enredo envolve um adolescente de 14 anos (e este começa por ser um romance sobre esse período em que muito se descobre e se perde demasiadas vezes o pé), fixado nas suas pesquisas sexuais, na relação com um tio que enlouqueceu e na filosofia budista. Tal como acontece com o livro de Bruno Vieira Amaral, há uma figura desaparecida, em circunstâncias misteriosas, no caso uma irmã, sardenta e zombeteira, que pede um obsessivo exercício de memória e uma pesquisa. E que se torna uma personagem, “com a mesma consistência de ser humano feito de papel”.

Nuno Costa Santos escreveu livros como “Trabalhos e Paixões de Fernando Assis Pacheco” ou o romance “Céu Nublado com Boas Abertas”. É autor de, entre outros trabalhos audiovisuais, “Ruy Belo, Era Uma Vez” e de várias peças de teatro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)