Livros

As histórias que escrevem o futuro

Miguel Freitas da Costa regressa a Raul Brandão, recorda momentos chave daquilo que o Estado Novo entendia como "diplomacia" e recorda a "Submissão" de Houellebecq.

Raul Brandão

Autor
  • Miguel Freitas da Costa

Memórias
Raul Brandão
(Quetzal)

Uma leitura obrigatória. Do prefácio do autor: “(…) Muitas folhas destes canhenhos serão mal interpretadas, talvez muitos tipos falsos. Só vemos máscaras, só lidamos com fantasmas, e ninguém, por mais que queira, se livra de paixões. No que o leitor deve acreditar é na sinceridade com que então as escrevi. Poderão objectar-me: – então com que destino publico tantas páginas desalinhadas, de que eu próprio sou o primeiro a duvidar? É que elas ajudam a reconstituir a atmosfera de uma época (…). Ensinam e elucidam.” Vão de 1900 a 1930. Há uma nova edição num só volume dos três tomos originais.

Crepúsculo do colonialismo
Bernardo Futscher Pereira
(Dom Quixote)

Não é preciso concordar com todas as conclusões ou premissas do estudo do nosso Embaixador em Dublin para reconhecer o interesse e a limpidez do estilo deste seu novo contributo para a história d’A diplomacia do Estado Novo. Este volume cobre o período 1949-1961. Sucede a um primeiro volume intitulado A diplomacia de Salazar publicado em 2012 e dedicado aos anos que mediaram entre a ascensão de Salazar à chefia do governo e a adesão de Portugal ao Tratado do Atlântico Norte. Ninguém tenha medo de levar este livro para férias. É eminentemente legível.

Submissão
Michel Houellebecq
(Alfaguara)

Acaba de sair em França a edição de bolso deste romance. Em 2015 (“Je suis Charlie”, onde isso já vai) foram publicadas em francês duas “antecipações” da “islamização” de um mundo descrente de si próprio: o livro de Houellebecq e o romance, menos conhecido, do escritor argelino Boualem Sansal: 2084. Soumission foi logo traduzido para português (2084 também já teve tradução em Portugal, 2084 – O fim do mundo). Pode ler-se com The Strange Death of Europe: Immigration, Identity, Islam, que acaba de publicar o jornalista inglês Douglas Murray, fundador do Center for Social Cohesion.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

No deserto chamado portugalidade /premium

Gabriel Mithá Ribeiro

O que acontece é que os intelectuais quase não saem disto: os pobres de espírito fazem e, nós, intelectuais, pensamos; eles são o corpo e nós a mente. Não pode haver noção mais indigente de sociedade.

Livros

Livros para férias (II) /premium

João Carlos Espada

Cinco livros recordam o binómio altamente improvável em que assenta o mistério político ocidental: a rivalidade civilizada entre direita e esquerda democráticas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)