Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sob investigação das autoridades alemãs, assim como todo o Grupo Volkswagen, a Audi acaba de ser abalada por mais uma réplica do terramoto que tem sido a suspeita de manipulação nas emissões de alguns dos seus motores, com a detenção de um seu funcionário, suspeito de fraude e publicidade enganosa, naquela que é a primeira acção do género levada a cabo pela justiça alemã, relacionada com a acusação de que foi alvo o Grupo Volkswagen.

A notícia é avançada pelo Automotive News Europe, referindo que um funcionário da marca dos quatro anéis, não identificado, terá sido detido pela polícia, a pedido da Procuradoria de Munique e na sequência de investigações levadas a cabo pelos procuradores. Funcionário que, acrescenta um porta-voz do mesmo organismo, sem querer precisar se se trata de um actual ou ex-empregado, terá sido ouvido na passada terça-feira, tendo ficado detido sob custódia das autoridades. No entanto, e ainda de acordo com o mesmo porta-voz da Procuradoria de Munique, nenhum dos membros do Conselho de Administração da Audi está a ser alvo, individualmente, de qualquer investigação.

Contactado pela referida publicação, o fabricante de Ingolstadt recusou-se a fazer qualquer comentário sobre este tema.

Recorde-se que o Departamento de Justiça norte-americano anunciou, na passada quinta-feira, ter avançado com um processo contra o antigo director da Audi Giovanni Pamio, por este liderar uma equipa que teria a responsabilidade de desenhar software capaz de contornar os testes às emissões levados a cabo pelos organismos federais norte-americanos, e que terá sido instalado em milhares de viaturas da marca dos quatro anéis.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR