Com apresentação oficial agendada já para o próximo Outono, o primeiro crossover compacto da Volvo, relativamente ao qual a marca sueca assume grandes expectativas, levantou pela primeira vez o véu acerca da sua aparência, num teaser divulgado nas redes sociais onde se pode ver um pouco e de uma forma detalhada o perfil da traseira do futuro XC40. E a coisa promete.

Depois do sucesso alcançado com o SUV médio XC60, a Volvo espera já ansiosamente aquele que poderá vir a ser o próximo best-seller do fabricante de Gotemburgo. E que, segundo a imagem agora divulgada no Instagram, promete respeitar muitas das linhas dadas a conhecer com o protótipo 40.1. A começar no tejadilho, que termina, a exemplo dos restantes SUV do construtor, num spoiler, e que que, também neste caso, surge acompanhado de uma iluminação tipo filete, em LED, a par de saídas de escape trapezoidais.

Com uma traseira claramente parecida à do concept 40.1, tudo indica que, também na frente, o XC40 não deverá divergir muito do protótipo apresentado em 2016, com as ópticas a integrarem, muito provavelmente, a iluminação diurna em LED conhecida como “Martelo de Thor”, assim como a já conhecida nova grelha larga. Sendo que, no crossover, a estes pormenores poderão juntar-se ainda uma pintura exterior bicolor, a qual poderá sempre ser conjugada com tonalidades marcantes, como o Laranja Lava ou Vermelho Oxide, para o interior. No fundo, tudo opções a fazer pelos clientes.

Contudo, as novidades no novo XC40 não deverão limitar-se ao aspecto, já que na base do modelo estará a nova plataforma modular CMA (Compact Modular Architecture), que o crossover compacto estreia e que posteriormente partilhará com as variantes S40 e V40. Juntando-lhe ainda uma oferta em termos de motorizações que deverá passar não somente por motores de combustão, materializada em blocos de três e quatro cilindros turbo, mas também por uma variante híbrida plug-in.

Com expectativas bastante altas relativamente a este modelo, a Volvo espera conseguir atingir com o XC40 vendas na ordem das 100 mil unidades por ano. O que, a acontecer, faria do modelo um caso especial de sucesso, numa marca que terminou 2016 com um total de 532.332 unidades vendidas, mundialmente.

Com apresentação à partida agendada já para este Outono, resta aguardar por aquele que será o primeiro impacto junto dos futuros clientes, muito provavelmente já no próximo Salão Automóvel de Frankfurt, para perceber se tais ambições têm ou não fundamento.