818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"O parceiro certo para dançar" rendeu-se ao "verdadeiro campeão"

Este artigo tem mais de 5 anos

No final do "combate do século", vencedor e vencido trocaram elogios. Mayweather, que se despede dos ringues, sublinhou a coragem de McGregor. O irlandês não escondeu a admiração pelo vencedor.

Mayweather "comportou-se como um verdadeiro campeão"
i

Mayweather "comportou-se como um verdadeiro campeão"

Getty Images

Mayweather "comportou-se como um verdadeiro campeão"

Getty Images

Floyd Mayweather e Conor McGregor protagonizaram em Las Vegas aquele que é considerado por muitos o maior combate do século: o campeão invicto e um dos maiores nomes da história do boxe contra o irlandês carismático que dominou por completo o mundo das artes marciais mistas. Durante meses, os dois alimentaram uma rivalidade que tinha tanto de genuína como de showbiz, trocando insultos e desconsiderações. Depois da vitória do norte-americano por KO técnico, não faltaram os elogios e as garantias de admiração mútua.

Na conferência de imprensa pós-combate, os dois atletas, que dominam como poucos o conceito de desporto-espetáculo, não escondiam a satisfação pela show que deram na T-Mobile Arena. “Escolhi o parceiro certo para dançar”, afirmou Floyd Mayweather, antes de desfazer as poucas dúvidas que ainda restavam: “Este foi o meu último combate”.

O norte-americano, que fixou o recorde de invencibilidade em 50-0, acabou por reconhecer o mérito de McGregor. “Tinha dito que McGregor era um grande competidor e conseguimos dar espetáculo aos fãs. Ele é bastante melhor do que pensava. É complicado de lutar contra ele porque usa ângulos diferentes, é difícil. Mas eu fui o melhor homem esta noite”, notou Mayweather.

E foi, de facto. Apesar do bom início do irlandês, que chegou a dominar “Money” nos três primeiros assaltos, a técnica, experiência e resistência do norte-americano de 40 anos acabaram por abrir brechas na defesa de Conor McGregor. No entanto, e apesar da derrota, “The Notorious”, que surgiu na conferência de imprensa com um dos seus fatos mais exuberantes e uma garrafa de whisky irlandês com o seu nome, era um homem satisfeito — afinal, provou a todos os que duvidam dele que estava à altura do desafio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O Mayweather tem uma grande compostura durante o combate. Não é muito rápido, não é muito forte, mas consegue sempre manter a compostura. Comportou-se como um verdadeiro campeão. Temos de tirar o chapéu ao Floyd. Uma grande, grande carreira. Parabéns. Foi um bom combate, não foi?“, riu-se o irlandês.

Quanto ao futuro, McGregor não excluiu a hipótese de voltar ao boxe. No entanto, a fazer crer nas suas palavras, o seu futuro próximo deve passar pelo octógono. “Voltar ao boxe? Vamos ver o que acontece. UFC? Isso, claro. Se estou contente? Nem sei o que sentir… Estou muito satisfeito por estas pessoas que me acompanham. Nunca ninguém tinha corrido estes riscos que corri”, rematou o lutador.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos