Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Do centro histórico até Sete Rios, passando pelas Avenidas Novas, poucas seriam as zonas de Lisboa que escapariam aos efeitos de uma arma nuclear como a que foi testada por Pyongyang este domingo. O impacto direito de uma ogiva de 60 quilotoneladas em Lisboa teria um número de mortos estimado de 52 mil, sem considerar os efeitos indiretos. Essa é a conclusão que é possível retirar da ferramenta online Nukemap, criada pelo historiador nuclear norte-americano Alex Wellerstein, que permite combinar dados sobre os efeitos de uma arma nuclear com os mapas disponibilizados pelo Google Maps — tornando possível determinar o impacto de uma detonação em qualquer cidade do mundo. Wellerstein alerta, porém, que estimativa de mortes pode não ser a mais rigorosa.

No caso de uma arma como a que terá sido testada pelo governo da Coreia do Norte no passado domingo, os efeitos seriam sem dúvida arrasadores em locais como Lisboa, Porto ou Coimbra — mas também em cidades maiores como Paris ou Londres, que seriam parcialmente afetadas. Não é certo qual a dimensão concreta da arma testada por Pyongyang, mas mesmo utilizando as estimativas mais conservadoras — cerca de 60 quilotoneladas, segundo o a autoridade meteorológica da Coreia do Sul — a dimensão destrutiva desta bomba seria enorme.

8 fotos

O teste nuclear norte-coreano foi o mais potente alguma vez levado a cabo pelo país e crê-se que terá sido pelo menos três vezes mais forte do que a bomba atómica lançada sobre Hiroshima. Se a bomba testada chegar às 120 quilotoneladas estimadas por alguns, como a NORSAR (grupo norueguês que monitoriza testes nucleares), este será um teste oito vezes mais forte do que a bomba atómica utilizada pelos norte-americanos em 1945.

Alex Wellerstein, professor do Stevens Institute of Technology em Nova Jérsia (EUA), decidiu criar esta ferramenta em 2012, dizendo que espera ajudar a tornar a ameaça nuclear algo “mais pessoal”, sobretudo para aqueles que nasceram depois do fim da Guerra Fria. “Quando os meus estudantes veem que a bomba H [bomba de hidrogénio, que pode ser 50 vezes mais forte do que a bomba atómica] destrói toda a região metropolitana e que há milhões de mortos e feridos, oiço logo um som da audiência e percebo que lhes acertei em cheio”, explicou o professor ao Independent em 2015.

“Os estudantes hoje em dia quase não conseguem conceber o que são as armas nucleares e o que estas podem fazer, por isso criei o Nukemap para ajudá-los a calibrar o seu receio.”

O site, que se baseia num modelo matemático usado pelo governo norte-americano nos anos 60 e 70, permite ainda obter uma estimativa do número de mortos e feridos provocados pela bomba no local escolhido (apesar de o criador avisar que esta é apenas uma estimativa) e permite visualizar o raio de ação da arma consoante as suas quilotoneladas. Em 2015, o Observador já tinha verificado qual seria o impacto do lançamento de uma arma nuclear como a bomba atómica de Hiroshima em várias cidades.

E se caísse em Lisboa uma bomba atómica com o mesmo efeito daquela lançada em Hiroshima?

Este raio de ação calcula, contudo, apenas os impactos diretos de uma arma deste tipo. Como o próprio Wellerstein escreveu, num artigo do jornal The Guardian de 2015, “para além de matarem milhões de pessoas”, este tipo de armas “podem alterar o clima global de tal forma que venham a reduzir drasticamente a produção de culturas agrícolas”.