Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Três multas para as plataformas eletrónicas, por “angariação de clientes para serviços de transporte de táxi sem alvará”, 888 multas para os motoristas que efetuaram os respetivos serviços. Eis o saldo dos últimos 9 meses de fiscalização no setor, desde a alteração legislativa de 21 de novembro de 2016 que aumentou as coimas, anteriormente de 300 euros para infratores individuais e de 500 para pessoa coletiva, para os 2000 e os 5000 euros.

Os números são avançados esta quarta-feira pelo Jornal de Notícias, que apurou que nos últimos 9 meses a GNR foi a única força de autoridade a multar diretamente as plataformas como Uber ou Cabify — e fê-lo apenas em três ocasiões. Tanto transportar passageiros sem licença como angariar clientes através de aplicações eletrónicas para transportar passageiros em veículos sem licença é ilegal.

Apesar de não ter revelado quais foram as plataformas autuadas, o Ministério da Administração Interna garantiu ao jornal que desde novembro as ações de fiscalização foram intensificadas — por parte da PSP e da GNR, em separado ou juntamente com as Finanças, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

A PSP informou que entre 26 de novembro de 2016 e 21 de agosto deste ano fez 396 operações de fiscalização para o “mercado do transporte em táxi”. Saldo final: 1217 infrações, 783 por transporte de passageiro sem licença. Já a GNR declarou 105 infrações, 102 pelo mesmo motivo e as restantes três — as já referidas três — por angariação de clientes para serviços de transporte de táxi sem alvará.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR