As forças armadas do Brasil vão cercar a comunidade da Rocinha, uma grande favela do Rio de Janeiro onde vivem pelo menos 70 mil pessoas. A decisão foi tomada pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, que acatou um pedido do governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, para que fossem enviados militares ao local.

Segundo o ministro da Defesa, 700 membros da polícia e do exército participarão do cerco à favela, numa ação anunciada cinco dias depois do recrudescimento dos confrontos entre traficantes rivais naquela área.

No último domingo, um grupo de traficantes tentou tomar o controlo da Rocinha de outros criminosos, desencadeando tiroteios intensos que aterrorizaram os moradores. Dezenas de vídeos registados por moradores mostraram o clima de terror durante o confronto entre os criminosos. Nas imagens era possível ver tiros sendo disparados por traficantes em cima das lajes em diferentes casas da favela. Depois da tentativa de invasão, a polícia fez operações no local, mas os confrontos não cessaram.

Na manhã desta sexta-feira, traficantes e polícias voltaram a trocar tiros dentro da favela. O confronto levou ao encerramento da estrada Lagoa-Barra, principal via que faz a ligação entre a zona sul e a zona oeste da cidade do Rio de Janeiro.