Rubber Chicken

“Lego Ninjago”: jogar o jogo depois de ver o filme

"The Lego Ninjago Movie Video Game" vem acompanhar o mais recente filme da Lego, que chegou ontem às nossas salas de cinema portuguesas. O Rubber Chicken explica por que é uma boa surpresa.

The Lego Ninjago Movie Video Game/Warner Bros Games

The Lego Ninjago Movie Video Game parece um trava-línguas mas é apenas a adaptação oficial do filme que estreou esta quinta-feira nas salas de cinema portuguesas. É muito provável para quem tenha filhos que já se tenha cruzado com Lego Ninjago no Netflix, e que tenha sido levado para dentro de uma série que diverte tantos miúdos como graúdos. Os argumentos são simples: tem quase todos os elementos clichés dos filmes de kung fu dos anos 80, mas tudo misturado com Lego. O filme, porém, é um spinoff do genial The Lego Movie (o segundo, depois da estreia este ano do The Lego Batman Movie), apresentando grandes diferenças em relação à série de TV original.

As reticências com este The Lego Ninjago Movie Video Game eram bem explícitas. Se a Warner Bros e a TT Games têm o prazer de nos brindar anualmente com pelo menos um jogo de Lego que explore a fórmula usada desde 2005, este jogo acabou por ser uma total surpresa, e isso nem sempre é um ponto positivo.

Para este ano já tinha sido anunciado um jogo de Lego, a sequela de Marvel Super Heroes e que sairá no final de Novembro, a espreitar o Natal. O anúncio deste Ninjago é relativamente recente, com o lançamento a coincidir com a estreia do filme. A falta do aviso prévio habitual da WB Games fazia antever um jogo feito “à pressa”, apenas para faturar a reboque da chegada do filme às salas de cinema.

Esse preconceito deixou-nos de sobreaviso sobre a qualidade do que aí viria. Felizmente que os primeiros minutos a jogá-lo rapidamente demonstrou que estávamos enganados. Estão aqui presentes todos os elementos da fórmula dos jogos da Lego, mas está algo mais. Não fosse este um jogo dedicado aos 6 ninjas coloridos da Lego, exímios combatentes que representam a magia pelo imaginário das artes marciais, e não haveria justificação para a profunda e salutar complexificação que fizeram do combate.

Nos jogos da Lego, os ataques aos adversários passam apenas por carregar no mesmo botão até os derrotarmos. Essa simplicidade funciona, dentro do contexto, mas é um ponto muito positivo podermos ver que o combate foi melhorado para tornar a experiência mais emocionante e coerente com a ação destes ninjas.

Esmagar o botão de ataque já não surte efeito, visto que os nossos inimigos entrarão em postura defensiva, obrigando-nos a criar combinações de ataques para os conseguir derrotar. É claro que as combinações são elas mesmas simples e reminiscentes dos beat’em ups das máquinas de arcadas, mas foi uma inclusão perfeita para mudar ligeiramente a fórmula da Lego ao qual estamos habituados e que aprendemos a “amar”.

Lego Ninjago reproduz, com as devidas elipses temporais, o enredo do filme. Por isso – e apesar de não termos tido ainda a possibilidade de o vermos – percebem-se os cortes na história que deixam alguns buracos sem sentido de conteúdo que fica a faltar, e que tornam obrigatório ver o filme para compreender a narrativa na íntegra.

O colecionismo é a joia da coroa dos jogos da Lego e possivelmente o motivo que faz com que os seus jogos tenham tantos fãs, ainda que pouco difiram uns dos outros sem à exceção da série usada, de Indiana Jones a Harry Potter, passando por Star Wars e agora por Ninjago.

Mas a duração deste Lego Ninjago é bem mais curta que o habitual, com um número menor de capítulos de história e proporcionalmente um menor número de objetos colecionáveis para procurar em todos os seus níveis, o que reduz as dezenas de horas de jogo típicas de um jogo da Lego para menos de 20.

Ainda assim, Lego Ninjago contrariou as nossas piores expectativas e demonstrou-se um bom jogo. Tirando a “curta” duração, não há nada que revele que seja apressado ou que seja um mero companion para o filme e mantém a qualidade de todos os outros jogos Lego, com algumas boas adições mecânicas que encaixam como uma katana na respetiva bainha. Altamente aconselhado para fãs de jogos da Lego, dos Ninjago, e para quem acabou de ver o filme e quer continuar a experiência no sofá de casa a controlar os heróis (e não só) que compõem este mundo.

Mas este é sobretudo um aperitivo para aquele que é o grande jogo do género do ano: Lego Marvel Super Heroes 2, que está apenas a dois meses de distância.

“The Lego Ninjago Movie Video Game” está à venda para PS4 e Xbox One por 59,99€, chegará à Switch dia 20 de outubro pelo mesmo preço. Chegará ao PC dia 13 de Outubro em versão digital por 29,99€.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)